Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Trio UFRJ

Trio UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Grande abrangência de repertório e atuação...

Reconhecendo afinidades de concepções musicais e técnicas,…

More...
Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Concertos UFRJ Violão em “Concertos UFRJ”
Violão em “Concertos UFRJ” PDF Imprimir E-mail
Traremos o violão novamente como personagem principal de nosso programa em razão do aniversário de 30 anos do curso da UFRJ, que foi fundado em 1980 pelo professor Turíbio Santos. Para comemorar a data a Escola de Música organizou um grande evento que ocupará durante toda a semana as salas de concertos da Escola com inúmeros convidados brasileiros e estrangeiros e que são considerados alguns dos maiores violonistas da atualidade.
Escrito por SeTCOM   
Dom, 03 de Outubro de 2010 21:00

 

podcast

Ouça aqui o programa: 

Toda segunda-feira, às 22h, tem "Concertos UFRJ" na Roquette Pinto FM. Sintonize 94,1 ou acompanhe pela internet!

Programas anteriores podem ser encontrados na seção Concertos UFRJ.
Ilustração: Mário Luiz
violao230
Clique para ampliar

O Violão está de volta em Concertos UFRJ, programa que vai ao ar toda segunda-feira, às 22h, numa parceria da Escola de Música (EM) da UFRJ com a Rádio Roquette Pinto (FM 94,1). E, por um bom motivo. É que de quatro a nove de outubro ocorre na EM o festival “Violão, 30 anos na UFRJ”, um grande evento que comemora as três décadas da implantação do curso, um dos primeiros em nível universitário e fundamental para a aceitação do instrumento nos meios acadêmicos brasileiros.

 

Com a apresentação de André Cardoso, docente e diretor da EM, o programa apresenta um pouco das atrações nacionais e internacionais que oferecerão concertos e masters-classes ao longo da semana do evento: o brasileiro, Fabio Zanon, o chileno Carlos Perez, o argentino Pablo Marquez, o francês Gerard Abiton e, por fim, Turíbio Santos, que inaugurou em 1980 o bacharelado de violão da UFRJ e desde então, paralelamente a carreia de concertista e de outras inúmeras atividades, vem se dedicando à formação de gerações de novos violonistas.

 

Até chegar a ser hoje o bacharelado de música mais demandado na UFRJ, o violão teve que enfrentar enormes desafios, pois como sublinha (ver matéria) Márcia Taborda, docente da EM, "a tentativa de levar o violão às salas de concerto esbarrou na visão de mundo de que o espaço para a grande tradição não comportaria a presença de um instrumento dito de malandros”.

 

Seja como for ele tem uma longa história para contar. A primeira hipótese é que deriva da “khetara grega”, que com o domínio do império romano passou a se chamar “citara romana”, ou “fidícula”, tendo sido introduzido na península ibérica, por volta do primeiro século D.C. Outra versão acredita que o violão descenda do antigo “alaúde árabe”, que foi levado a Portugal e a Espanha durante a ocupação árabe.

 

A viola de cinco cordas dupla e precursora do violão era bastante popular em Portugal. Quando se toma conhecimento da guitarra espanhola, bastante semelhante a aquela, mas maior, se passa a designar o instrumento pelo aumentativo: violão. Assim, forjou-se em português curiosamente um substantivo, cuja raiz diverge da designação usada nas demais línguas – Guitar (inglês), Guitare (francês), Gitarre (alemão), Chitarra (italiano) e Guitarra (espanhol).

 

No Brasil, a viola portuguesa chegou trazida pelos jesuítas e como instrumento de catequese. Com o tempo, ficou confinada aos ambientes rurais e se tornou a nossa viola-caipira, enquanto o violão, depois do estabelecimento de sua forma no final do séc. XIX, passou a ser adotado, sobretudo, nos meios urbanos. A enorme aceitação que alcançou, fez dele o nosso instrumento preferido para o acompanhamento de voz, como no caso das modinhas, das serestas e de toda nossa rica e diversificada música popular. Na música instrumental, juntamente com a flauta e o cavaquinho, formou a base do conjunto de choro. Como resultado, aqui ganhou sotaque próprio e um jeito brasileiro de ser tocado.

 

Entretanto, apesar de suas origens milenares, o violão só se constituiu como instrumento de concerto no século XX, através de desbravadores, como Segovia, Barrios, Llobet, Bream e outros, que moldaram sua técnica e seu repertório.

 

No Brasil sua aceitação acadêmica foi bastante tardia. Em 1973, há menos de quarenta anos, portanto, ainda era desprezado nesses meios como “instrumento de seresta”, apesar do enorme sucesso que obtinha nas salas de concerto do mundo.

 

Um preconceito, felizmente, que pertence ao passado.

 

As edições de Concertos UFRJ  podem ser acompanhadas on line ou através do podcast (áudio sob demanda) daRoquette Pinto (FM 94,1). Contatos através do endereço eletrônico:  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 

 

Programação de Outubro

 

 

Programa 10 – Dia 4 de outubro – Violão na UFRJ: 30 anos

 

Traremos o violão novamente como personagem principal de nosso programa em razão do aniversário de 30 anos do curso da UFRJ, que foi fundado em 1980 pelo professor Turíbio Santos. Para comemorar a data a Escola de Música organizou um grande evento que ocupará durante toda a semana as salas de concertos da Escola com inúmeros convidados brasileiros e estrangeiros e que são considerados alguns dos maiores violonistas da atualidade.

 

• Fábio Zanon – Allegro da Sonata em Lá menor BWV 1003 de Bach.
• Fábio Zanon – Choros no. 1 de Villa-Lobos.
• Carlos Perez – Gueya de Julio Sagreras.
• Carlos Perez – Estilos Criollos nos. 1 e 2 de Julio Sagreras.
• Pablo Marquez – Duas canções tradicionais argentinas: El Mimao e Zamba.
• Gerard Abiton – Fiesta da Sonatina Meridional de Manuel Ponce.
• Gerard Abiton – Zapateado das Três peças Espanholas de Joaquim Rodrigo.
• Turíbio Santos – Concerto de Aranjuez de Joaquim Rodrigo com a Orquestra da Ópera de Montecarlo e a regência de Cláudio Scimone.

 

Programa 11 – Dia 11 de outubro – Choro em concerto.

 

Será abordado o choro, mas não o tradicional, aquele que é reconhecido como uma das mais representativas manifestações musicais da cultura carioca. Serão apresentadas obras nas quais diferentes compositores brasileiros utilizaram os procedimentos característicos do choro em suas composições de câmara e sinfônicas.

 

• Heitor Villa-Lobos – Choros no. 3 "Pica-Pau" com o Coro da OSESP, Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e a regência de John Neschling.
• Francisco Mignone – Valsa-Choro no. 5 para piano com Francisco Mignone ao piano.
• Camargo Guarnieri – Choro para piano e orquestra com o pianista Caio Pagano como solista da Orquestra Sinfônica Nacional Tcheca e a regência de Paul Freenan.
• Radamés Gnattali – Último movimento (choro) da Brasiliana no. 13 para violão solo com o violonista Vitor Gaberlotto.
• Heitor Villa-Lobos – Choros no. 5 "Alma Brasileira" com a pianista Cristina Ortiz.
• Edino Krieger – Choro para flauta e cordas com o flautista Luis Fernando Sieciechowicz e da Orquestra de Câmara Villa-Lobos.
• Cláudio Santoro – Choro para saxofone e orquestra com Vinícius Macedo (saxofone), acompanhado pela Orquestra Sinfônica da UFRJ e a regência de Helder Trefzger em gravação realizada em concerto no Festival Villa-Lobos em 23 de novembro de 2009 na Sala Cecília Meireles.

 

Programa 12 – Dia 18 de outubro – Bicentenário de Robert Schumann

 

Uma homenagem ao bicentenário de nascimento do compositor Robert Schumann, que assim como Chopin é comemorado em todo o mundo em 2010 com execuções de suas obras mais importantes, e considerado o compositor que melhor representa o romantismo alemão.

 

• Canção Widmung (Dedicação) op. 25 no. 1 sobre texto do poeta Friedrich Rückert com o barítono Bryn Terfel e Malcolm Martineau ao piano.
• "Marcha dos Davidsbündler contra os Filisteus", último número do "Carnaval" op. 9 de Robert Schumann com a pianista Guiomar Novaes.
• Träumerei das "Cenas Infantis" com o pianista Heitor Alimonda.
• Quatro canções de "Frauenliebe und leben" (O amor e a vida de uma mulher), com texto do poeta Adelbert Von Chamisso na interpretação do soprano Anne Sofie Von Otter, tendo ao piano Bengt Forsberg.
• Adágio e Allegro op. 70 para violoncelo e piano com o violoncelista David Finckel e a pianista Wu Han.
• Primeiro movimento da Sinfonia no. 3 "Renana" na versão do maestro Günter Wand e da Orquestra Sinfônica da Rádio do Norte Alemão.
• Primeiro movimento do Concerto para piano em lá menor op. 54 com o pianista Murray Perahia, a Orquestra Filarmônica de Berlim e a regência de Claudio Abbado.

 

Programa 13 – Dia 25 de outubro – Homenagem a Ernani Aguiar

 

Um dos mais importantes compositores brasileiros da atualidade, o maestro Ernani Aguiar completa 60 anos em plena atividade. Estudou composição com o maestro César Guerra-Peixe e violino com Paulina D'Ambrosio. Estudou também no Conservatório Cherubini, na cidade de Florença, na Itália. É atualmente professor de regência e prática de orquestra da Escola de Música da UFRJ e membro da Academia Brasileira de Música.

 

• Terceiro movimento da Sonatina para piano no. 1 com a pianista Ruth Serrão.
• "Tempo de frevo" das Meloritmias no. 4 para violino solo com a violinista Ludmila Vinecka.
• "Música a três" para duas clarinetas e fagote com o trio formado pelos clarinetistas José Botelho e José de Freitas e o fagotista Aloysio Fagerlande.
• Quatro Momentos no. 2 para cordas com a Orquestra de Câmara do Sesi Minas.
• "Instantes" no. 2 para cordas com a Orquestra de Câmara do Sesi Minas.
• Primeiro movimento do Concertino para flautim e cordas com a Orquestra de Câmara de Moscou, Raffaele Trevisani na flauta e a regência de Roberto Duarte.
• Salmo 150 para coro com o Madrigal de Brasília e a regência de Emílio de César.
• Cantata de Natal – Coros "Tolite portas" e "Laetentur caeli" com o Coral dos Canarinhos de Petrópolis, a Orquestra Sinfônica da UFRJ e a regência de Marco Aurélio Lischt.
• Sinfonietta Prima com a Orquestra Petrobras Pró-Música e a regência de Armando Prazeres.

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Seg, 14 de Maio de 2012 20:02
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO