Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Trio UFRJ

Trio UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Grande abrangência de repertório e atuação...

Reconhecendo afinidades de concepções musicais e técnicas,…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Outras notícias... Simpósio coloca Brasil no mapa da musicologia internacional
Simpósio coloca Brasil no mapa da musicologia internacional PDF Imprimir E-mail
Escrito por Francisco Conte   
Qui, 30 de Julho de 2015 18:09

Promovido desde 2010 pelo Programa de Pós-graduação em Música (PPGM), o Simpósio de Musicologia da UFRJ chega a sua sexta edição e firma-se no cenário acadêmico. Com o tema "Trânsitos Culturais: Música entre América Latina e Europa" o evento acontece de 10 a 15 de agosto, em associação com o Colóquio Internacional do Instituto Ibero-Americano de Berlim (IAI) e da Universidade das Artes de Berlim (UdK), e sua realização conta com a cooperação da Academia Brasileira de Música (ABM) que cedeu seu auditório para as conferências, palestras, mesas-temáticas e sessões de comunicações programadas.

Maria Alice Volpe (UFRJ), que divide com Dörte Schmidt (UdK) a presidência da comissão científica do Simpósio, não esconde a satisfação com a repercussão alcançada pela iniciativa. Ela conta que diversos pesquisadores estrangeiros e brasileiros têm comentado que o Simpósio se tornou referência para pesquisadores e especialistas da área.

  Foto: Disvulgação
  dorteschmidtx2015x250ulrike-250-2015x
   
  conrado-2015-250pxPaulo Ferreira de Castro
  Acima, Dörte Schmidt e Ulrike Mühlschlegel. Abaixo, Omar Corrado e Paulo Ferreira de Castro.

 

− Tenho recebido apreciações extremamente positivas da comunidade musicológica, do Brasil e do exterior. Philip Gossett (Universidade de Chicago) comentou certa vez que o Simpósio colocou o Brasil no mapa da musicologia internacional, referindo-se ao nível de excelência do encontro. Já Manoel Aranha Corrêa do Lago (ABM) sempre ressalta que a realização regular do Simpósio produz um efeito acumulativo muito positivo, devido à oportunidade de congregar pesquisadores, propiciar o debate e disseminar o conhecimento.


Parceria Brasil-Alemanha


Volpe, que integra o quadro de docentes do PPGM, acredita que a realização conjunta Simpósio e do Colóquio, além de divulgar os resultados originais de pesquisas sobre temas que ainda estão sob o escrutínio de poucos especialistas, abre espaço para uma diversidade maior de propostas que compartilham as mesmas questões e podem se enriquecer mutuamente, tanto no campo conceitual como metodológico.

− O tema "Trânsitos Culturais", afirma, alargou a proposta mais específica oriunda do projeto interinstitucional, objeto do convênio entre UFRJ e a UdK/ IAI, que trata especificamente da música erudita latino-americana no período de 1945 a 1970. O Simpósio de Musicologia abriga este tema específico do Colóquio IAI-UdK e, ao mesmo tempo, abre para um escopo mais abrangente das diversas tradições culturais, contextos e tempos históricos, pois interessa-nos atrair um número maior de pesquisadores e uma diversidade maior de olhares, questões e abordagens. Esse alargamento temático resultou de nossa experiência com eventos anteriores. Nossa estimativa se confirmou com a chamada de trabalhos: das cerca de 50 submissões que recebemos, 16 tratavam do tema especifico do Colóquio IAI-UdK e apenas 8 foram selecionadas. As outras três dezenas de submissões tratavam de temas relacionados ao escopo mais abrangente do Simpósio UFRJ.

O convênio com as instituições alemãs surgiu de iniciativas do musicólogo argentino Omar Corrado, que participou da edição 2011 do Simpósio. Impressionado com a organização do evento, Corrado, que é membro de um projeto interinstitucional entre a Alemanha e a Argentina, recomendou à UdK e ao IAI-Berlim que se estabelecesse um convênio com o PPGM para o desenvolvimento de um projeto de pesquisa conjunto e para a realização de um evento casado na América Latina e outro na Alemanha.

A proposta, destaca Volpe, é que o evento seja realizado com os recursos financeiros dos respectivos países que hospedam o evento a cada ano.

− Este ano as dificuldades têm sido enormes devido aos drásticos cortes orçamentários promovidos pelo governo federal, afirma. mas a coesão de toda a equipe da Escola de Música, envolvendo os diversos segmentos, a Diretoria da instituição, o PPGM, o Setor Artístico, o Setor de Comunicação e a colaboração dos monitores e bolsistas da graduação e da pós-graduação, somados à acolhida da ABM, viabilizaram o evento.


Destaques

  Foto: Disvulgação
  Christina Richter-Ibáñez
   
  daniela--matthiasx400
  Acima, Christina Richter-Ibáñez. Abaixo, Daniela Fugellie e Matthias Pasdzierny.


A evolução do Simpósio tem demonstrado índices interessantes para a política científica, tanto no que diz respeito ao seu alcance nacional, quanto à internacionalização da universidade brasileira. Ele tem trazido conferencistas de diversos países: EUA, Inglaterra, França, Itália, Alemanha, Sérvia, Portugal, Espanha, México, Cuba, Venezuela, Argentina, Chile e Uruguai.

− A partir da segunda edição, afirma a pesquisadora, além dos conferencistas convidados, temos feito a chamada de trabalhos, cuja seleção anual tem obtido uma média de distribuição geográfica de 76% de pesquisadores do Brasil, incluindo diversos estados de todas as regiões e 24% do exterior, incluindo diversos países da Europa, América Latina e da América do Norte. Essa adesão e reconhecimento do Simpósio no cenário nacional e internacional dá continuidade, de maneira renovada, à contribuição histórica da Escola de Música da UFRJ − a mais antiga instituição de ensino musical do país e a primeira a criar um programa de pós-graduação em música do Brasil.

A iniciativa oferece também uma oportunidade dos alunos de graduação e pós-graduação conhecerem de perto as pesquisas desenvolvidas por especialistas do Brasil e do exterior, acompanharem de perto os debates travados durante o evento, participarem desse debate e se engajarem na pesquisa musical.

O Simpósio tem atraído ainda, destaca Volpe, muitas parcerias, resultando em convênios da UFRJ com instituições do Brasil e do exterior. Esses convênios envolvem acordos de cooperação científica e técnica, formação de grupos de pesquisa interinstitucionais para desenvolvimento de projetos, realização de eventos científicos casados, intercâmbio de professores, pesquisadores e alunos, além de diversas formas de colaboração entre os cursos de graduação e pós-graduação.


Conferencistas


O encontro tem se caracterizado pela participação de conferencistas internacionais de relevo. Este ano são esperadas as presenças de Dörte Schmidt, Omar Corrado, Christina Richter-Ibáñez, Ulrike Mühlschlegel e Paulo Ferreira de Castro.

Dörte Schmidt (Universidade das Artes, Berlim) está entre as figuras mais importantes da musicologia da Alemanha na atualidade. Sua conferência oferecerá uma reflexão sobre o intercâmbio musical e cultural entre a América Latina e a Europa na segunda metade do século XX no contexto mais amplo da pesquisa sobre o exílio no campo dos estudos culturais orientados por mecanismos específicos da fundação de identidade individual e coletiva e pelas condições da comunicação cultural. Schmidt fala de uma "virada cultural" como consequência da mudança de paradigma político motivada pela queda do Muro de Berlim, em 1989, e destaca que os aspectos estéticos da música desempenham um papel central na produção de representações, interpretações e padrões de percepção culturais.

   Cartaz do evento
  cartazaniversarioem2015x400
 
Baixe aqui o PDF do programa
Omar Corrado (Universidade Nacional de Buenos Aires) é destacado musicólogo argentino, agraciado com diversas bolsas de pesquisa do governo argentino e instituições europeias (DAAD, Goethe Institut, entre outras). Sua especialidade é a música argentina do século XX. Entre suas publicações, destacam-se os livros Música y modernidad en Buenos Aires 1920-1940 (Gourmet Musical, 2010) e o premiado Vanguardias al sur: La música de Juan Carlos Paz (Casa de las Américas, 2010). Corrado já esteve anteriormente no Simpósio como conferencista e este ano apresentará um estudo sobre exílio, com foco na produção historiográfico-musical de emigrados austro-germânicos na Argentina do pós-guerra.

Christina Richter-Ibáñez (Universidade de Tubingen) é especialista em música argentina do pós-guerra e tem contribuído substancialmente para os estudos sobre o compositor Mauricio Kagel. Sua participação traz uma abordagem interdisciplinar ao tratar da música, artes e literatura europeia e latino-americana nos cursos de verão da Argentina e do Brasil nas décadas de 1950.

Ulrike Mühlschlegel (Instituto Ibero-Americano, Berlim) realizará palestra sobre o acervo do IAI-Berlim, que desde sua fundação em 1930, reúne na biblioteca coleções sobre a música ibérica e latino-americana, incluindo livros, partituras musicais, libretos de ópera e de zarzuela, materiais históricos, contando também com uma fonoteca de mais de 35.000 discos, cassetes e fitas magnéticas. Sua preciosa palestra descortinará a diversidade do acervo, que contém música erudita, música para guitarra, etnomúsica e música contemporânea, revelando o interesse da Europa pela América Latina.

Paulo Ferreira de Castro (CESEM, Universidade Nova de Lisboa) tem formação em filosofia da música, com ênfase no pensamento de Wittgenstein. Tem contribuído para a reflexão sobre a historiografia musical portuguesa e é co-autor, junto com Rui Vieira Nery, do livro História da Música (1991) da série Sínteses da Cultura Portuguesa. Nesta primeira participação no Simpósio falará sobre nacionalismo e cosmopolitismo na música portuguesa do século XX.

Além dos conferencistas internacionais, o Simpósio reunirá ainda simposiastas de grande expressão de diversos países, que oferecerão uma gama ampla e diversificada de temas e abordagens. Entre eles, Matthias Pasdzierny (UdK), Daniela Fugellie(UdK), Harm Langenkamp (Universidade de Utrecht), Eduardo Herrera (Rutgers, Universidade Estadual de New Jersey), Silvia Glocer (Universidade de Buenos Aires), Mariana Portas de Freitas (Fundação Calouste Gulbenkian), Edward Luiz Ayres de Abreu (CESEM, Universidade Nova de Lisboa), Flavio Silva (FUNARTE), Rodolfo Coelho de Souza (USP), Alessandra Vannucci (Escola de Comunicação da UFRJ).

− Teremos ainda a satisfação, destaca a Volpe, de receber Marta Castello Branco (Universidade Federal de Juiz de Fora), que realizou seu doutorado na UdK sob a orientação de Dörte Schmidt, para uma comunicação e lançamento de sua tese agora publicada como livro. A abertura do evento conta com o recital palestra de Pedro Bittencourt (UFRJ) e Bernd Schultheis (Universidade Goethe-Frankfurt) sobre interpretação participativa na música mista.

A comissão organizadora do Simpósio e do Colóquio conta com André Cardoso (UFRJ) e Ulrike Mühlschlegel (IAI, Berlim), presidentes; Maria Alice Volpe (UFRJ); Marcos Nogueira (UFRJ); Pauxy Gentil-Nunes (UFRJ); Pedro Bittencourt (UFRJ); Antonio Augusto (UFRJ) e Mário Alexandre Dantas Barbosa (UFRJ). Além de Maria Alice Volpe (UFRJ) e Dörte Schmidt (UdK), integram a comissão científica Omar Corrado (Universidade de Buenos Aires); Christina Richter-Ibáñez (Universidade de Tübingen); Daniela Fugellie (UdK); Marcos Nogueira (UFRJ) e Ilza Nogueira (UFPB).

 

 

estrela Serviço

Academia Brasileira de Música, Rua da Lapa, 120, 12º andar, Auditório – Lapa – Rio de Janeiro – RJ. Edifício Ventura Corporate Towers, Av. República do Chile, 330, Torre Leste, 21º andar, Sala de Reunião – Centro - Rio de Janeiro – RJ. Escola de Música da UFRJ, Rua do Passeio, 98 – Lapa – Rio de Janeiro – RJ.

 

 

VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE MUSICOLOGIA DA UFRJ / COLÓQUIO INTERNACIONAL INSTITUTO IBERO-AMERICANO E UNIVERSIDADE DAS ARTES DE BERLIM 2015
Rio de Janeiro, 10 a 15 de Agosto de 2015

 

2015

AGOSTO

AUGUST

10

2ª feira

MONDAY

Ventura

11

3ª feira

TUESDAY

Academia

Brasileira
de Música

12

4ª feira

WEDNESDAY

Academia

Brasileira
de Música

13

5ª feira

THURSDAY

Academia

Brasileira
de Música

14

6ª feira

FRIDAY

Academia

Brasileira
de Música

15

SÁBADO

SATURDAY

Passeio

Sala sa Congregação

9h-16h



Credenciamento e inscrições

Credenciamento e inscrições

Credenciamento e inscrições

Credenciamento e inscrições

9h-10:30h



GRUPO DE TRABALHO

SESSÃO DE COMUNICAÇÕES

Sammartino (Univ Cordoba)
Gamboa Hoyos (Univ Andes)
Castello Branco (UFJF)

SESSÃO DE COMUNICAÇÕES

Langenkamp (Univ Utrecht)
Sant’Ana (IFMT)
Herrera (Rutgers)

SESSÃO DE COMUNICAÇÕES

Taborda (UFRJ)
Delvizio (USP)
Milagres (UniRio)

REUNIÃO PÓS-CONGRESSO

10:30h-11h



INTERVALO

INTERVALO

INTERVALO

INTERVALO

11h-12h

RECEPÇÃO DO CONVÊNIO BRASIL & ALEMANHA

ABERTURA

RECITAL

Breno Seifert (Brasil/Alemanha)

Oscar Lorenzo Fernandez (1897-1948) - Terceira Suite Brasileira

Max Reger (1873-1916) - Variações e fuga sobre um tema de Bach, Op. 81
PALESTRA


Ulrike Mühlschlegel (IAI)

CONFERÊNCIA


Dörte Schmidt (UdK)



PALESTRA


Paulo Ferreira Castro (UNL)



12h-13:30h

ALMOÇO

ALMOÇO

ALMOÇO

ALMOÇO

ALMOÇO

ALMOÇO

13:30h-15:30h

REUNIÃO PRÉ-CONGRESSO

PRONUNCIAMENTOS

SESSÃO DE COMUNICAÇÕES

Berçot (CEFET/RJ)
Vannucci (ECO-UFRJ)
Dantas Barbosa (UFRJ)

MESA TEMÁTICA

Omar Corrado (Univ Buenos Aires)
Edward Ayres d’Abreu (UNL)
Maria Alice Volpe (UFRJ)

MESA TEMÁTICA

Christina Richter-Ibáñez (Univ Tübingen)
Daniela Fugellie (UdK)
Matthias Pasdzierny (UdK)

MESA TEMÁTICA

Rodolfo Coelho de Souza (USP)
Flavio Silva (FUNARTE)
André Cardoso (UFRJ)

GRUPO DE TRABALHO

15:30h-16h

INTERVALO INTERVALO

INTERVALO

RECITAL PALESTRA


Pedro Bittencourt (UFRJ) & Bernd Schultheis (Goethe-Universität Frankfurt) – Interpretação musical participativa em Stratifications (2010) para sax tenor e eletrônica em tempo real de Bernd Schultheis

ENCERRAMENTO

16h-17:30h

SESSÃO DE COMUNICAÇÕES

Rodrigues (UNESP)
Albuquerque & Salles (USP)
Passamae (OSES)

SESSÃO DE COMUNICAÇÕES

Franco (UFRJ)
Portas (Calouste Gulbenkian)
Liberal (UNL)

SESSÃO DE COMUNICAÇÕES

Monteiro & Zani (USP)
Bosquet (Univ Cuyo)
Glocer (Univ Buenos Aires)

LANÇAMENTO DE LIVRO

COQUETEL



19h

Concerto de Abertura

Homenagem a Francisco Braga
(70 anos de morte)

Orquestra Sinfônica da UFRJ
Regente: André Cardoso

Eduardo Biato, órgão

Francisco Braga

Leopoldo Miguez

Saint-Saëns.

Salão Leopoldo Miguez

Veruschka Mainhard, soprano

Giulio Draghi, piano

VIOLONCeloS UFRJ
ERNANI AGUIAR, regência

Salão Leopoldo Miguez

O Professor de Musica

Ópera em 2 atos, de Pergolesi

Orquestra Sinfônica da UFRJ
Priscila Bonfim, regência

José Henrique, direção cênica


Salão Leopoldo Miguez



Breno Seifert (piano)

Fernandez, Reger, Liszt, Chopin

Salão Leopoldo Miguez

Homenagem a Francisco Manuel da Silva

(150 anos de morte)

Coral Brasil Ensemble
Maria José Chevitarese, regência

Alexandre Rachid, órgão

Nepomuceno, Francisco Manuel da Silva, Francisco Braga

Salão Leopoldo Miguez



Compartilhe este artigo:

Última atualização em Qui, 10 de Setembro de 2015 08:01
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO