Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Coral Infantil da UFRJ

Coral Infantil da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1989, celeiro de grandes talentos...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Pianista Nelson Freire recebe o título de doutor honoris causa da UFRJ
Pianista Nelson Freire recebe o título de doutor honoris causa da UFRJ PDF Imprimir E-mail
Veículo: JB Premium   
Sex, 16 de Setembro de 2011

Matéria publicada na coluna Sol Maior de Maria Luiza Nobre, Jornal do Brasil, 16 de setembro de 2011, sobre a cerimônia de concessão do título de Doutor Honoris Causa da UFRJ ao pianista Nelson Freire.

 

Pianista Nelson Freire recebe o título de doutor honoris causa da UFRJ

 

O pianista Nelson Freire foi agraciado, na quinta-feira (15/09), com o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão foi presidida pelo vice-reitor da UFRJ, Antonio Ledo, e teve lugar no Salão Leopoldo Miguez, da Escola de Música.

 

O artista entrou no local trazido por um grupo de quatro professores da Escola, e chegou até o palco, onde foi realizada a cerimônia, muito aplaudido. O Hino Nacional foi executado em clima de grande emoção pela Orquestra Sinfônica da Escola de Música, sob a batuta do maestro Ernani Aguiar. A mesa de honra estava composta por Antonio Ledo, a professora Flora Faria, decana do Centro de Letras e Artes; pelo professor André Cardoso, diretor da Escola de Música; pelo professor Alexandre Rachid, chefe do Departamento de Piano da instituição,  e pela professora e empresária Myrian Dauelsberg.

 

A saudação ao futuro doutor foi feita por Myrian Dauelsberg, que delineou um mosaico da vida de Nelson, desde seu nascimento até a atualidade, fazendo alusões aos vários pontos de salvação de sua vida. O menino tímido de Boa Esperança, Minas Gerais, que era muito alérgico, ganhou, já adolescente, uma bolsa do governo brasileiro, concedida pelo presidente Juscelino Kubitschek para ficar um período curto na Europa.

 

Depois de algumas idas e vindas, aconteceu o grande e decisivo encontro de sua vida, com a pianista Marta Argerich, com quem começou a tocar a quatro mãos e a dois pianos, ganhando, portanto, importância e notoriedade necessárias para sua carreira internacional.

 

O pianista estava, como de costume, muito concentrado, exatamente como se estivesse tocando em um recital ou mesmo um concerto com orquestra. Ele apesar de estar aparentemente calmo, na verdade estava gelado, petrificado com a necessidade de ter que agradecer falando em público, algo ao qual Freire tem verdadeiro horror. Ele mesmo confidenciou que estava mais nervoso do quando toca os dois concertos de J.Brahms em uma noite. A título de informação, os referidos concertos são tidos como dos mais difíceis na literatura do piano. Nelson Freire nem piscava, fixando seus olhos no horizonte, como um ponto de apoio.

 

Chegou a hora da fala do pianista, que discursou sentado na mesa de honra, expressando que tudo o que faz é movido pelo coração e com o coração. Disse ainda que adora as praias da cidade e que, mesmo trabalhando em várias partes do mundo, é no Rio que se recompõe e alimenta suas energias quando chega de suas inúmeras viagens.

 

Após seu breve discurso, Nelson Freire ficou visivelmente aliviado. Falou pouquíssimo, mas muito bem, conseguindo chegar ao final com a tranquilidade nas suas palavras, a mesma com que começa a quarta Balada de Chopin.

 

Foram poucas as pessoas do meio musical do Rio, porém expressivas como o adido cultural da Embaixada de Portugal, o pianista Adriano Jordão, o maestro Marlos Nobre, que é Doutor Honoris Causa da UFPE, a viúva do compositor Francisco Mignone, pianista Maria Josephina Mignone, a pianista Sonia Goulart, o pianista Robert Fuchs, o flautista Eduardo Monteiro, a pianista Fernanda Canaud e a pianista Rosana Martins, entre muitos alunos da Escola de Música. Após a ovação ao grande pianista, seguiram todos para um simpático coquetel.

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO