Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Entrevista com Leonardo Fuks
Entrevista com Leonardo Fuks PDF Imprimir E-mail
Veículo: FCC/UFRJ   
Dom, 05 de Junho de 2011

Entrevista com Leonardo Fuks, docente da Escola de Música, publicada no dia 5 de junho de 2011 no portal do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ.

fuks210 Leonardo Fuks, o irreverente inventor que criou uma orquestra em cima de bicicletas, pedalou pelo ArteForum no domingo, 5 de junho de 2011. Único doutor em Acústica Musical no país, o pesquisador carioca possui formação acadêmica em Acústica Musical e Engenharia, o que lhe permite dialogar constantemente entre conhecimentos práticos e teóricos, visando ao desenvolvimento instrumental e musical.

 

"Aquilo de que precisamos [a Cyclophonica] para funcionar, para tocar adequadamente, tornando-nos audíveis e inteiros numa cidade, já é uma pauta prática de reivindicações."

1.FCC – Como foi a interação com os pacientes do IPUB? Foi uma surpresa para os integrantes da orquestra uma participação tão ativa? Como foi a sensação de realizar um concerto para pacientes? Qual foi a diferença com relação ao público que esteve em frente à fachada da UFRJ?


Foi muito especial ter esse contato com os pacientes psiquiátricos. Inicialmente, porque são pessoas muito sensibilizadas para as artes, suponho que estimulados pelos processos e vivências terapêuticas lá desenvolvidas.  Depois, porque tudo que a Cyclophonica tem de “bizarro”, “maluco” ou “excêntrico” foi recebido com a maior tranquilidade e naturalidade pelos pacientes, pois eles entenderam que nós estávamos lá exclusivamente para tocar para eles e, sobretudo, com eles. O grupo Cancioneiro, coordenado pelo musicoterapeuta Vandré Talita, é um belo trabalho e foi perfeito o encontro, pois diversas músicas foram acertadas antecipadamente, todas do repertório conhecido pelos pacientes.

 

Quando concluímos nossa participação no IPUB (com certo atraso), já eram quase 11 horas da manhã e decidimos incluir o Trem das Onze e todos tocaram ou cantaram:  foi ainda mais perfeito do que poderíamos imaginar!

 

Em seguida, rumamos para a entrada do Fórum (onde outrora funcionava um grande hospício) e fomos recebidos por um público bem mais contido, porém muito receptivo e caloroso. Foi outra emoção, sobretudo pelo tapete de serragem colorida, belíssimo, que os artistas fizeram!

 

2.FCC – O que foi mais marcante nessa apresentação realizada no domingo, 5 de junho? Houve algum momento inédito? Algo que nunca aconteceu nas apresentações de vocês?


Uma paciente insistiu para que tocássemos Metamorfose Ambulante, do Raul Seixas. Ela foi para o palco, pegou o microfone e cantou com tanta expressão e desenvoltura que, de fato, aconteceu uma metamorfose na frente de todos. Foi muito bonito. Uma outra paciente compartilhou os tambores com nosso percussionista, tocando de forma bem ritmada e com um semblante de grande alegria e entrega. Estes momentos podem ser vistos nos vídeos que fizemos. Mas, certamente, o momento mais forte foi quando todos tocamos e cantamos Maluco Beleza. Ficamos muito emocionados, difícil de explicar. Todos da Cyclophonica e da plateia tínhamos lágrimas nos olhos, [fruto] de um sentimento muito bonito e raro.

 

3.FCC – Houve alguma diferença pelo fato da apresentação ter sido realizada na UFRJ, na Praia Vermelha?


Sem dúvida! Além de ser uma área universitária, com um público bem diferenciado e de ser o campus mais bonito da UFRJ é a “alma mater” da maioria dos músicos da Cyclophonica. O nosso grupo, atualmente com dez membros, nasceu dentro da UFRJ, estimulado por um congresso organizado pela Engenharia de Produção em 1999, com maioria de ex-alunos e professores da UFRJ. Ainda hoje, temos dois professores efetivos da [Escola] de Música da UFRJ, dois ex-professores substitutos  e outros quatro ex-alunos da UFRJ. Aqui, estamos em casa.

 

4.FCC – Além de promover o aumento do respeito ao ciclista e de levar música e alegria a locais inusitados, o que mais desejam os músicos-ciclistas?


Nós não temos exatamente uma plataforma política verbal. Aquilo de que precisamos para funcionar, para tocar adequadamente, tornando-nos audíveis e inteiros numa cidade, já é uma pauta prática de reivindicações. Havendo desrespeito ao ciclista, não conseguimos fazer a nossa música, pois as buzinas e as manobras desleais de outros veículos maiores nos deixam totalmente incapacitados. Se roubam nossas bicicletas, não haverá concerto. Se o nível de ruído urbano for alto, nem chegamos a nos escutar. Se desrespeitarmos os pedestres, teremos uma péssima receptividade do público. Se não alegrarmos as pessoas e, sobretudo, as crianças, estaremos certamente tocando mal. Infelizmente, devido a práticas inadequadas de muitos ciclistas atuais, as bicicletas são vistas pelos pedestres como algo ofensivo e arriscado.

 

5.FCC – Que outro lugar gostariam de tocar e ainda não tiveram oportunidade?


Quer uma resposta bem curta? CHINA!

 

Rafael Barcellos
Jornalista do FCC/UFRJ

Edição: Zilda Martins

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO