Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
UFRJazz Ensemble

UFRJazz Ensemble

Institucional >> Conjunto Estáveis

Música instrumental brasileira, jazz contemporâneo e música de concerto...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Don Quixote estreará dia 12, na Escola de Música
Don Quixote estreará dia 12, na Escola de Música PDF Imprimir E-mail
Veículo: Jornal da ADUFRJ   
Ter, 10 de Maio de 2011

Matéria publicada na edição 704, 11 de maio de 2011, do Jornal da Adufrj, entidade representativa dos docentes da UFRJ, e replicada no site da entidade, sobre a montagem da ópera Don Quixote, de Telemann.

 

jornaladufrj-2011-05-11b

 

 

Don Quixote estreará dia 12, na Escola de Música


Trecho da ópera foi antecipado ao público no último dia 4, na Faculdade de Letras

 

A Faculdade de Letras recebeu na quarta-feira passada, dia 4, uma mesa-redonda sobre a ópera “Don Quixote nas Bodas de Comacho”, de Georg Philipp Telemann (1681-1767). O debate contou com a presença de professores da Faculdade, assim como do diretor e regente da ópera, o professor Marcelo Fagerlande e integrantes da Orquestra Sinfônica da UFRJ. O objetivo do encontro foi divulgar a obra, que faz parte do projeto “Ópera na UFRJ – 2011” e estreia no próximo dia 12, às 19h, na Escola de Música, no Centro.

O professor José Mauro Branco, coordenador de Extensão do CLA, apresentou o projeto, que existe desde a década de 1990 e conta com a parceria da Escola de Belas Artes, do curso de Direção Teatral da Escola de Comunicação da UFRJ e com a Escola de Música: “Trata-se de um projeto muito especial, multidisciplinar. Um espaço de atuação já profissional dos músicos da universidade”. Pela primeira vez a ópera “Don Quixote nas Bodas de Comacho” será exibida no Brasil. O professor também apontou, com orgulho, que a UFRJ é a responsável pela primeira apresentação de ópera neste semestre em todo o Rio de Janeiro.

O projeto


O professor Marcelo Fagerlande falou da complexidade em realizar o projeto “Ópera na UFRJ”: “Esse já é o quarto projeto do qual faço parte. Trabalhar com ópera é uma das coisas mais difíceis, porque envolve a música, a literatura, a cenografia, a direção teatral. Enfim, uma série de áreas que se precisa dirigir”, afirmou. Para ele, o maior desafio é fazer com que os estudantes se engajem em um projeto coletivo: “Suscitar o espírito coletivo nos alunos diante de um mundo cada vez mais individual é, sem dúvida, um grande desafio. Mas é muito gratificante estar aqui”, disse o professor da EM.

O compositor


A mesa-redonda destacou não só o estilo barroco da obra, como também falou sobre a produção lírica dos séculos XVII e XVIII e sobre seu compositor. O professor Marcelo Fagerlande apresentou Georg Philipp Telemann, que, em 1761, compôs Don Quixote nas Bodas de Comacho: “Telemann era o mais famoso músico de seu tempo na Alemanha. Seus trabalhos têm uma qualidade magnífica e foi quem escreveu em todo o mundo o maior número de obras musicais”, disse o regente. Telemann morreu aos 86 anos, em 1767.

A ópera que será apresentada, segundo explicou o professor, não foi traduzida do alemão para o português por uma questão de tempo. As apresentações serão no original, com legendas. Segundo afirmou o docente à reportagem do Jornal da Adufrj, a ópera é uma leitura brasileira: “Todo o elenco é brasileiro. O único nome estrangeiro é o do autor”. 

O século XVII


Em seguida, o professor Álvaro Bragança Jr., de Língua e Literatura Alemã, falou sobre o século XVII, imediatamente anterior ao período em que a obra foi composta. É neste século que as óperas passam a deixar de ser compostas e executadas em italiano (tradição até aquele momento) e passam a ser feitas na língua em que fossem compreendidas pelo público. Este movimento, segundo o professor, se deu a partir da Guerra dos 30 anos, entre 1618 e 1648. A necessidade de fazer-se compreender em uma única língua lírica alemã, em um momento em que o então chamado Sacro Império Romano Germânico era dividido em 600 territórios independentes, originou a apresentação da primeira ópera em alemão, “Daphne”.

A obra


A professora Teresa Cristina Cerdeira, também da Faculdade de Letras, falou sobre as influências da Idade Média que aparecem na ópera: “Nesse período, a produção literária é baseada em música, repassada por meio da produção oral”, disse. Esta característica estará presente nas óperas nos séculos posteriores.

“Don Quixote nas Bodas de Comacho” faz parte da segunda parte de Quixote, publicada em 1615. A primeira parte foi publicada dez anos antes, portanto, em 1605. A docente descreveu algumas partes da ópera para comparar as diversas artes do período e as influências de cada estilo que se repetem tanto na pintura, como na literatura.

Para finalizar a mesa-redonda, o professor Miguel Ángel Zamorano, da FL, falou um pouco sobre a junção das diversas áreas da arte na ópera: música, teatro e literatura. Ele descreveu algumas cenas para chamar a atenção sobre o caráter intertextual da obra: “É o gênero que se subordina a outro. No caso, a ópera do pastoreio e a literatura. Quixote é um universo onde cabe diversos micro-gêneros”, afirmou.

Apresentação


Após a mesa-redonda, os participantes foram contemplados com uma belíssima apresentação do trecho inicial da ópera. Participaram da apresentação os músicos: Guilherme Barroso (alaúde), Eduardo Antonella (viola da gamba), Leandro da Costa (barítono) e André Bukowitz (violino). Os dois primeiros são estudantes de mestrado da Faculdade de Letras. Leandro é ex-aluno e André é técnico-administrativo da UFRJ.

Serviço


Depois da estreia, no dia 12, haverá outras apresentações no Salão Leopoldo Miguez da Escola de Música. No dia 13, será às 19h. Já no dia 14, a apresentação está programada para as 16h. Por fim, no dia 15, os músicos se apresentarão às 11h. O Fundão receberá o projeto no dia 18 de maio, no Auditório do CT, as 12h30. A EM fica na Rua do Passeio, 98 – Lapa. Já o Centro de Tecnologia está localizado na Av. Athos da Silveira Ramos, s/n, Cidade Universitária.

 

OLHO:
“Trata-se de um projeto muito especial, multidisciplinar. Um espaço de atuação já profissional dos músicos da universidade”

José Mauro Branco

Coordenador de Extensão do CLA

 

FOTO:

Crédito: Clarice Castro

Legenda: Diretor diz que maior desafio é fazer com que estudantes se engajem em um trabalho coletivo.

 

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO