Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Trio UFRJ

Trio UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Grande abrangência de repertório e atuação...

Reconhecendo afinidades de concepções musicais e técnicas,…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Antonio Meneses se manifesta: “Estou perplexo”
Antonio Meneses se manifesta: “Estou perplexo” PDF Imprimir E-mail
Veículo: Portal do Estadão   
Sáb, 02 de Abril de 2011

O violoncelista Antonio Meneses, que ministrou a aula inaugural de 2011 na EM, se manifestou sobre a demissão de 44 músicos da OSB. "Estou perplexo", diz. Leia aqui a matéria publicada em dois de abril de 2011 no portal do Estadão em que ele fala sobre o assunto.

 

''Estou perplexo''

Ex-músico da OSB, violoncelista Antonio Meneses pede posição mais humana da direção do grupo

Antonio Meneses - O Estado de S.Paulo


Nos últimos dias, tenho recebido com preocupação as notícias vindas do Rio de Janeiro sobre a crise na Sinfônica Brasileira. Desde o início do embate entre músicos e direção, colegas e amigos me procuraram pedindo que eu me posicionasse a respeito das audições. Se não o fiz até agora, foi por acreditar que em situações como essa há sempre dois lados a serem ouvidos - e também por ter a esperança de que uma solução conveniente a todos poderia ser obtida, o que parece hoje improvável com a notícia de que a demissão de mais da metade da orquestra está prestes a se tornar realidade.

 

Durante dois anos, no início da minha carreira, fui músico da Sinfônica Brasileira. Desde aquela época, voltei a me apresentar com o grupo como solista em diversas ocasiões, algumas delas sob a batuta do atual diretor artístico, Roberto Minczuk, a quem procurei em particular, recebendo de volta uma resposta insatisfatória, logo que os conflitos tiveram início. Por tudo isso, me preocupou a dimensão que o caso ganhou, inclusive internacionalmente, passando ao mercado imagem desfavorável sobre o ambiente musical brasileiro.

 

A Fundação OSB poderia ter buscado uma maneira mais diplomática e humana de lidar com o dilema criado por ela ao impor aos artistas provas de avaliação, com toques de autoritarismo. Elevar o nível da Sinfônica Brasileira é um desejo de todos os músicos e também daqueles que frequentam os concertos, não há dúvida. Mas não vejo como isso pode ser alcançado do dia para a noite, com a demissão de mais de 40 artistas. Por que a pressa, depois de seis anos desta gestão artística? A instituição importante que é a orquestra é muito anterior à atual gestão e sabemos que a OSB continuará existindo. Porém, com um pouco mais de cuidado e civilidade, esse seria um capítulo menos nebuloso da história do conjunto - e daqueles que hoje a dirigem. Afinal, sob que signo se cria uma nova OSB com 40 artistas demitidos?

 

Estou perplexo, acompanhando a situação constrangedora que colegas e amigos meus como Alceu Reis, David Chew, Michael Bessler e muitos outros artistas estão passando. Vejo esse quadro com tristeza e aflição.

 

Tenho quatro irmãos músicos de orquestra, dedicados inteiramente aos empregos que têm. Conflitos entre regentes e corpo orquestral são situações comuns.

 

Eu mesmo testemunhei muitos deles em 40 anos de carreira, em grandes orquestras e em grupos menores. Quando toquei pela segunda vez com o maestro Herbert Von Karajan, por exemplo, a atmosfera na Filarmônica de Berlim já apresentava nuvens negras, era um momento de grande desgaste, com antipatias e piadinhas internas. Mesmo assim, não houve desrespeito público, não houve ameaças, não houve imposição de testes nem humilhação aos músicos. Assim como em qualquer relação humana, altos e baixos acontecem; o que não pode acontecer é agressão e falta de respeito. Um verdadeiro líder segue adiante, criando e mantendo padrão de qualidade apenas com o seu trabalho - que deve ter excelência acima e além de qualquer exigência aos seus subordinados, além, claro, da competência emocional e da empatia para exigir disciplina e guiar um grupo de artistas em direção ao bom desempenho.

 

O carinho que temos pela Sinfônica Brasileira é imenso. E por isso não paramos de acreditar em uma solução pacífica, que demonstre respeito pelos músicos; uma solução hábil, diplomática e humana a ponto de fazer com que qualquer músico, qualquer solista, possa voltar a tocar com a Sinfônica Brasileira de cabeça erguida, podendo encarar nos olhos seus colegas, sabendo que os seus direitos foram preservados, se não como profissionais, pelo menos como seres humanos. É o que todos nós artistas - e, tenho certeza, também o público - esperamos. E merecemos.

 

ANTONIO MENESES É VIOLONCELISTA, EX-INTEGRANTE DO TRIO BEAUX-ARTS E PROFESSOR DO CONSERVATÓRIO DE BERNA.

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO