Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Blocos de rua misturam ritmos de música clássica, brega e funk no carnaval
Blocos de rua misturam ritmos de música clássica, brega e funk no carnaval PDF Imprimir E-mail
Veículo: Globo.com   
Sex, 04 de Fevereiro de 2011

Matéria publicada em cinco de fevereiro de 2011 no portal Globo.com,  e replicada no mesmo dia no site do Extra, sobre blocos de carnaval do Rio que  incorporam experiências inusitadas. Entre eles, o Feitiço do Villa, de música clássica.Versão um pouco modificada foi veiculada no jornal O Globo no dia seguinte.

 

Blocos de rua misturam ritmos de música clássica, brega e funk no carnaval

 

Ludmilla de Lima

 

bloco-fogo-paixaoRIO - As marchinhas já não reinam soberanas na festa de Momo. A cada ano, o carnaval de rua do Rio se reinventa e, em 2011, a música de Sidney Magal, Heitor Villa-Lobos e John Lennon fará muito folião pular. A receita é simples: basta misturar gêneros, sons e ritmos, colocar tudo isso num bloco, vestir uma fantasia e sair brincando. Três grupos ensaiam sua estréia nas ruas do Rio com misturas inusitadas, mas muito bem boladas por músicos e batuqueiros formados nas melhores escolas e blocos da cidade. São eles o Feitiço do Villa, de música clássica e que homenageará o maestro Villa-Lobos; o Sargento Pimenta, que promete uma batida diferente para composições dos Beatles, e Fogo e Paixão, que vai fazer uma multidão cantar os sucessos do brega.

 

Quando decidiram criar um bloco com músicas do quarteto de Liverpool, uma imagem veio logo à cabeça dos amigos Gustavo Gitelman e Alexandre Ades: a da capa do disco "Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band", que serviu de inspiração também para as fantasias do grupo, já uma orquestra com 70 componentes.

 

- Pensamos logo no nome Sargento Pimenta. Acho que ficou no inconsciente a foto do disco. Lá, os Beatles aparecem numa fantasia colorida. É muito carnavalesco - conta Gustavo, que é médico e toca tamborim.

 

A decisão de homenagear os Beatles acabou seduzindo amigos e amigos dos amigos. Os ensaios têm acontecido quase todos os domingos na Uni-Rio, e o desfile está marcado para a segunda-feira de carnaval, com concentração às 15h na Rua Visconde de Caravelas, entre as ruas General Dionísio e Capitão Salomão, em Botafogo.

 

- Vamos ter "A Hard Days Night" em ritmo de funk, "Sgt Pepper´s" em maracatu, "All My Loving" em marchinha, e "Here Comes the Sun" em quadrilha - adianta Gustavo, acrescentando que fazem parte da orquestra, entre outros instrumentos, guitarra, baixo, saxofone e trompete.

 

Maestro irá reger bloco na Lapa


No primeiro dia da festa de Momo, Carlos Prazeres, maestro assistente da Orquestra Petrobras Sinfônica, deixará de lado o traje a rigor, mas não largará a batuta. É ele quem vai reger o Feitiço do Villa, em frente a um dos templos da música clássica da cidade - a Escola de Música da UFRJ, na Lapa. A data parece soar perfeita: 5 de março (sábado de carnaval), dia do aniversário de Villa-Lobos. O bloco começa a esquentar os violinos às 11h. Por causa dos instrumentos - entre eles, violoncelo e oboé -, o bloco vai ficar ali parado, como um concerto ao ar livre. Com exceção da hora em que tocar "Trenzinho Caipira", de Villa-Lobos:

 

feitico-do-villa- Vamos fazer um trenzinho de músicos nessa hora - promete Prazeres, fundador do bloco junto com a produtora Heloísa Fischer.

 

A proposta, desde o início, é desmistificar a música clássica:

 

- O principal objetivo é atrair o jovem para a música clássica. A gente não quer competir com o Monobloco. Queremos mudar a cara e o estereótipo do músico carrancudo - explica o maestro.

 

Serão pelo menos 15 músicos das quatro principais orquestras do Rio de Janeiro: Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Petrobras Sinfônica, Orquestra do Theatro Municipal e Orquestra Sinfônica Nacional - UFF. A soprano Mirna Rubim também participará da festa. No repertório, Serenata Norturna, de Mozart, "Toreador", da ópera "Carmen", de Bizet, a 9 Sinfonia de Beethoven, e "A Primavera", de Vivaldi. Todas ganharão melodias próximas ao samba.

 

Os compositores Edino e Edu Krieger, pai e filho, são os autores de Feitiço do Villa, samba composto para o bloco e que explica bem o espírito dessa união do erudito com o popular: "Eu vou juntar Chopinho com Chopin/Não importa o amanhã/Hoje eu só quero Bach/Vou misturar Cartola com Ravel/Villa-Lobos com Noel/Pra ver que bicho dá". No dia 1 de março, um ensaio no Lapinha dará uma prova do que será o bloco.

 

- É uma grande brincadeira e vai acabar agradando a todo mundo que quer se divertir. São duas oportunidades: a do público ver esses músicos da sala de concerto na rua, e dos músicos participarem efetivamente do carnaval, tocar para esse público - analisa Edu Krieger.

 

O brega também possui seus clássicos, e eles terão espaço na folia. Os ensaios do Fogo e Paixão, em um estúdio da Lapa, já viraram programa concorrido. Mas, por enquanto, é só para amigos. O bloco reúne gente do Bangalafumenga, Quizomba e Monobloco, três dos mais queridos grupos dos cariocas. Quando o mestre Carlos Santana, o Negão, puxa "O Amor e o Poder" ("Como uma Deusa"), da Rosana, as meninas vão ao delírio. As "baranguetes" já treinam coreografias para o desfile, no dia 27 deste mês, com concentração às 10h no Largo de São Francisco, no Centro.

 

- Gostando ou não, todo mundo vai sabe as letras das músicas do bloco - diz Alexandre Morand, que toca surdo no Banga e é um dos fundadores do Fogo e Paixão.

 

Música de Wando terá batida funk


O bloco, que, assim como outros, surgiu entre amigos, faz sucesso no Facebook e no boca a boca, e já passou até a receber convites para festas. Todos recusados, para garantir a surpresa no dia D.

 

O mestre Negão, que já comandava o Banga, vem suando a camisa para criar arranjos ao melhor estilo bloco de carnaval para músicas como "Adocica", de Beto Barbosa, e "Sandra Rosa Madalena", de Sidney Magal. Negão adianta que o clássico brega "Fogo e Paixão", de Wando, irá para as ruas com uma batida funk.

 

- É engraçado e cansativo. Temos que pensar em tudo, bolar arranjos novos. É muito louco - revela, rindo, o mestre do Banga.

 

O espírito é dançar, cantar e dar muitas risadas.

 

- Vai ter coreografia e outras surpresas durante o bloco - faz mistério Daniele Hang, que toca tamborim.

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO