Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Notícias >> Arquivo

Lançamento dia 13 de dezembro da experiência piloto...

Foto: Marco Fernandes/CoordCOM…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Hino Nacional já teve duas outras letras
Hino Nacional já teve duas outras letras PDF Imprimir E-mail
Veículo: Portal da Câmara dos Deputados   
Qua, 29 de Dezembro de 2010

Leia aqui matéria publicada no portal da Câmara dos Deputados, em 30 de dezembro de 2010, sobre o Hino Nacional.

 

Hino Nacional já teve duas outras letras

 

Um dos símbolos da Pátria - juntamente com o brasão das armas nacionais e com a bandeira -, o Hino Nacional, que será executado na posse da presidente da República, tem música de Francisco Manuel da Silva e letra de Joaquim Osório Duque Estrada. A música foi composta cem anos antes da letra, em 1822, para comemorar a Independência do País. Até chegar à versão atual, o hino teve outras duas letras. A primeira delas foi criada quando Dom Pedro 1º abdicou do trono, e a segunda, na época da coroação de Dom Pedro 2º.

 

Com a proclamação da República, em 1889, realizou-se um concurso para escolher um novo Hino Nacional. Mas a música vencedora teria sido hostilizada pelo público e pelo próprio presidente, Deodoro da Fonseca, porque a versão anterior já era bastante popular. Essa composição - Liberdade, liberdade - tornou-se então o Hino da República, que ficou mais popular em 1989 ao fazer parte do samba-enredo da escola de samba carioca Imperatriz Leopoldinense. A versão original, de Francisco Manuel da Silva, continuou como hino oficial do País.

 

A letra definitiva só foi adotada em 1922. Um novo concurso foi realizado em 1906 e o resultado saiu em 1909. Venceu o poema de Joaquim Osório Duque Estrada, oficializado por decreto do presidente Epitácio Pessoa. Escrito na época em que era moda no País o parnasianismo - corrente literária à qual se filiava seu autor -, o hino prima pela extrema erudição. São famosos o uso da ordem inversa e de termos distantes do cotidiano da maioria da população.

 

Autores

 

duqueestradaJoaquim Osório Duque Estrada (foto) nasceu em Pati do Alferes (RJ), em 1870, e formou-se em Letras por volta de 1893. Na época, já havia publicado seu primeiro livro de poesias, Alvéolos (1887). Entre 1891 e 1924, escreveu para jornais cariocas. Professor do Colégio D. Pedro 2º e da Escola Normal, foi poeta e crítico literário. Sua obra principal é A Arte de Fazer Versos, Crítica e Polêmica.

 

Francisco Manuel da Silva nasceu em 1795 também no Rio de Janeiro, onde morreu em 1865. Foi um dos fundadores da Imperial Academia de Música e Ópera Nacional; da Sociedade Beneficência Musical; e do Conservatório Imperial de Música, que deu origem ao Instituto Nacional de Música, futura Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

Regras de comportamento

 

A maneira correta de se comportar durante a execução do hino está prevista na Lei 5700/71, que trata dos símbolos nacionais. No parágrafo único do artigo 30, o legislador desencoraja palmas após sua execução: como o Hino Nacional representa o próprio povo, considera-se descortês aplaudi-lo, pois seria como as pessoas aplaudirem a si mesmas.

 

A lei prevê também que o hino deve ser executado em continência à Bandeira Nacional, ao presidente da República, ao Supremo Tribunal Federal e ao Congresso Nacional. Também pode ocorrer a execução em situações como cerimônias religiosas de cunho patriótico, sessões cívicas e eventos esportivos internacionais.

 

Da Reportagem

Edição - João Pitella Junior

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO