Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Outras notícias... Palestra de Xavier Vatin discute gravações de Lorenzo Tuner na Bahia
Palestra de Xavier Vatin discute gravações de Lorenzo Tuner na Bahia PDF Imprimir E-mail
Escrito por Francisco Conte   
Ter, 05 de Julho de 2016 01:44
Xavier Vatin, doutor em Antropologia Social pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, professor-associado na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e pesquisador associado do CNRS e da Université Lumière Lyon 2, na França, fala nesta sexta-feira (8) na Escola de Música. Sob o tema "Memórias Diaspóricas", aborda as gravações que o linguista afro-americano Lorenzo Turner (1890-1972) fez nos anos 1940 na Bahia.

 

  Fotos: Reprodução
 
 
  Acima, Vatin tendo ao fundo foto tirada por Turner. Abaixo. Mãe Menininha (em destaque) e suas sacerdotisas no templo Ilé Axé Yá Masse, Salvador, Bahia, 1940-1941. Áudio, performace Maria Escolástica da Conceição Nazaré (Mãe Menininha)

Marcada para as 18h, a palestra acontece na Sala 2114 do Prédio III (Edifício Ventura) e integra a série Música em Debate. O evento é uma iniciativa conjunta do Laboratório de Etnomusicologia, do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ (PPGM) e da Escola de Música.

 

Xavier Vatin nasceu na França, mas está radicado na Bahia desde 1992,onde conviveu com o antropólogo Pierre Verger, de quem foi discípulo. O pesquisador tem mais de 20 anos de estudos de cultura africana; no entanto, tomou contato com as 52 horas de gravações feitas pelo linguista norte-americano Lorenzo Turner entre 1940 e 1941, em sua passagem pela Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Sergipe e Mato Grosso, quando consultava o acervo de gravações antropológicas da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos. Na época fazia pós-doutorado naquela instituição e desconhecia o trabalho de Tuner – neto de escravos e o primeiro linguista negro a se formar em Harvard.

 

Turner acompanhou de perto o povo gullah, grupo de descendentes de escravos africanos, que por décadas permaneceu isolado entre a Carolina do Sul e a Geórgia. Ao contrário da maioria dos negros americanos, eles haviam conservado traços culturais africanos significativos na língua, culinária, medicina tradicional e religião.

 

Outros pesquisadores viam no dialeto gullah um mero "baby talk" — um inglês mal falado e modificado —, mas o levantamento de Turner, no entanto, identificou cinco mil palavras africanas no vocabulário. Uma prova, segundo ele, de que ainda se falava creole nos Estados Unidos.

No entanto, o que despertou mais o interesse do etnomusicólogo foi o acervo coletado por Turner na Bahia sob condições bastante difíceis. A tecnologia usada era cara e literalmente pesada: os equipamentos e discos de alumínio que guardavam as gravações totalizavam cerca de 250 quilos, um obstáculo a mais para quem viajava em navio a vapor.


Bahia


 
Foto: Reprodução
 
 
Retrato do linguista Lorenzo Turner em 1929.
Tuner desembarcou a Salvador em sete de setembro de 1940, após ter sido ciceroneado no Rio de Janeiro por ninguém menos que Mário de Andrade - poeta, escritor, crítico literário, musicólogo, folclorista e um do expoentes dos modernismo brasileiro. Seu projeto consiste em gravar e estudar as línguas africanas faladas e cantadas nos candomblés da Bahia (yoruba, fon, kikongo, kimbundu, entre outras) no intuito de compará-las com aquilo que registrou na década de 1930 entre os gullah. O objetivo do linguista era comprovar a preservação de um fundo linguístico oeste-africano em locais e comunidades peculiares da diáspora africana nas Américas.

Dois anos antes das gravações do antropólogo Melville J. Herskovits e seis anos antes da chegada de Pierre Verger na Bahia, Lorenzo Turner, ao longo de sete meses de pesquisas intensivas realizadas em Salvador e no Recôncavo, grava, registra e fotografa os mais eminentes sacerdotes e sacerdotisas dos candomblés da época: Martiniano do Bonfim, Menininha do Gantois, Joãozinho da Goméia, Manoel Falefá, entre outros. O acervo extraordinário e inédito coletado por Lorenzo Turner na Bahia representa um total de 17 horas (350 discos, quase todos realizados no estúdio de uma rádio da Bahia) de gravações linguísticas e musicais, além de fotografias, anotações de campo, correspondências e transcrições linguísticas.

Martiniano do Bonfim, que tinha vivido cerca de uma década em Lagos, na Nigéria, e, mais surpreendentemente, Mãe Menininha do Gantois, que nunca tinha ido à África, falam e conversam fluentemente em yoruba nas gravações de Turner. Quanto ao conteúdo musical, Turner gravou centenas de cantigas assim como todos os toques percussivos do candomblé, com os iniciados e alabês mais respeitados da época. As gravações de Lorenzo Turner constituem a única prova material de que línguas africanas ainda eram faladas no dia-a-dia do povo-de-santo da Bahia até a década de 1940 além de manter intactas cantigas e rezas antigas do candomblé, nas vozes de figuras históricas da cultura afro-brasileira, ilustres representantes daquilo que a diáspora africana nas Américas tem produzido de mais belo e fascinante.

 

estrela SERVIÇO
Prédio III da Escola de Música. Edifício Ventura Corporate Towers, Avenida República do Chile, 330, 21º andar, Torre Leste CEP 20031-170

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Qui, 11 de Maio de 2017 00:56
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO