Coral Infantil da UFRJ

Coral Infantil da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1989, celeiro de grandes talentos...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Outras notícias... Projeto Tributo homenageia Robert Schumann
Projeto Tributo homenageia Robert Schumann PDF Imprimir E-mail
Escrito por Francisco Conte   
Qui, 23 de Junho de 2016 17:52

Para lembrar os 160 anos do falecimento de Robert Schumann (1810-1856), uma das personalidades mais originais do romantismo musical alemão, o Projeto Tributo realiza na terça-feira (28) um recital com um punhado das mais interessantes obras de câmara do compositor. Coordenado pelo professor e pianista Luiz Senise, o espetáculo está marcado para as 18h30, na Sala da Congregação da Escola de Música. A entrada é franca.

 

 
Foto: Ana Liao
  Luiz Senise
  Senise idealizou o projeto que, há quase duas décadas, homenageia expoentes da música.

 O projeto existe desde 1998 e reverencia a memória de grandes compositores através de apresentações que oferecem um painel de sua produção em anos que evocam emblematicamente seu nascimento ou morte. Como faz questão de destacar o professor, "trata-se de uma genuína manifestação de apreço, respeito e gratidão por parte dos intérpretes aos artistas criadores, cuja obra permanece como um precioso legado, uma fonte viva de energia e prazer".

Senise chama atenção para as ambivalências do romantismo de Schumann, marcado por oscilações frequentes de humor. Autor criativo e inovador, mas padecendo de um imenso desconforto com o mundo – estigma que assinalará grande parte dos escritores, artistas e intelectuais de sua geração.

– No universo schumanniano povoado por múltiplos personagens, destaca-se a dicotomia conflitante entre Eusebius, introspectivo e sonhador, versus Florestan, impetuoso e ardente. É profunda a influência que exerce o piano em suas sinfonias e música de câmera. Suas canções são verdadeiras joias camerística e nelas, Schumann confia ao piano intermezzos e epílogos que completam e prolongam o conteúdo lírico e poético da melodia vocal.

Além de Senise se apresentam no espetáculo Catarina Real Oliveira (piano), Luciano Magalhães (piano), Marco Catto (viola), Mateus Ceccato (violoncelo), Priscila Rato (violino) e Ricardo Tuttmann (tenor). Comentários estéticos de Paulo Peloso.


Schumann


  Foto: Reprodução
  casalschumann300
  Robert com sua esposa Clara, famosa pianista e, como ele, compositora.
Robert Schumann nasceu em 1810 na cidade de Zwickau, Saxônia, Alemanha, no seio de uma família ilustrada – seu pai era livreiro e editor. Desde cedo manifestou ambições musicais e literárias e o ambiente artístico que desfrutou na infância foi fundamental para suas futuras atividades como compositor, editor e crítico musical. A literatura sempre foi para Schumann uma fonte de estímulo, especialmente autores como Shakespeare, Goethe, Hoffman, Schiller e Heine. Sua inspiração literária não se manifestou, porém, na forma da música de programa, como em Berlioz, mas na busca de uma integração perfeita entre texto poético e música – o que se observa nos seus ciclos de canções e faz dele legítimo herdeiro de Schubert.

O compositor dedicou ao piano parte importante de sua produção mais criativa. Ela é resultado tanto de sua fértil inventividade melódica como dos sólidos conhecimentos da técnica do instrumento adquiridos com Friedrich Wieck, um severo professor que havia transformado sua filha, Clara, por quem Schumann acabará se apaixonando perdidamente, em grande virtuose do piano.

Apesar de um atribulado romance, das oscilações frequentes de humor de Schumann e da ferrenha oposição do pai de Clara, casaram-se em 1840 após uma desgastante batalha judicial. Os primeiros anos de matrimônio são os mais criativos e prolíficos de sua atividade como compositor e os mais felizes de sua vida.

Aos poucos, entretanto, as sombras da doença mental que acabará por consumi-lo descem. Nomeado regente de orquestra em Düsseldorf em 1850, a instabilidade o impede de desempenhar plenamente suas funções, culminando, quatro anos depois, com uma séria crise emocional, na qual o compositor se atira ao Reno, com intensão de pôr fim à vida. Resgatado, foi internado no asilo de Endenich, próximo da cidade.

Schumann falece em 29 de julho de 1856 sem se recuperar e com apenas 46 anos de idade.

 

Tributo a Robert Schumann

Dia 28 de junho, 18h30
Sala da Congregação

Programa

Robert Schumann – Des Abends (Da noite) e Aufscwhung (Impeto)
(1810-1856) Fantasiestücke opus 12 nº 1 e 2
Catarina Real Oliveira, piano

Widmung opus 25 nº 1 ( Rückert )
Mondnacht opus 39 nº 5 ( Eichendorff)
Dichterliebe opus 48 (Heine)
Schöne Wiege meiner Leiden opus 24 nº 5 (Heine)
Die Beiden Grenadiere op 49 nº 1 (Heine)
Ricardo Tuttmann, tenor
Luiz Senise, piano

Romance opus 28 nº 2
Luiz Senise, piano

Quarteto opus 47, em mi bemol maior
I – Sostenuto assai – Allegro ma non tropo
II – Scherzo – Molto vivace
III – Andante cantabile
IV – Finale – Vivace
Priscila Rato, violino
Mateus Ceccato, violoncelo
Marco Catto, viola
Luciano Magalhães, piano

Comentários estéticos

Prof. Dr. Paulo Peloso

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Sáb, 25 de Junho de 2016 02:33
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO