Coral Infantil da UFRJ

Coral Infantil da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1989, celeiro de grandes talentos...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Notícias >> Arquivo

Lançamento dia 13 de dezembro da experiência piloto...

Foto: Marco Fernandes/CoordCOM…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Jovem cego e autista supera desafios, entra para faculdade e vira tenor
Jovem cego e autista supera desafios, entra para faculdade e vira tenor PDF Imprimir E-mail
Veículo: Rede Globo   
Dom, 30 de Agosto de 2015

Reportagem veiculada no dia 30/08/2015 no programa Fantástico da Rede Globo sobre aluno da Escola de Música.

 

Jovem cego e autista supera desafios, entra para faculdade e vira tenor

 

Apresentação de ópera universitária teve quase 4 mil pessoas na plateia. Saulo fez as provas orais do Enem e passou para a faculdade de música.

 

redeglobo20150830

 

"Com 8, 9 meses de idade, eu já notava ele diferente. Ele chorava demais. Aqueles choros lamentados, sem motivo aparente. Era completamente isolado. Eu falava: 'Saulo, vem aqui com a mamãe'. E ele continua gritando, chorando. Dois anos e meio, nós tivemos certeza que ele era autista. Eu tenho um dia especial. Ele estava chorando demais, e um dos meus filhos colocou uma música. Na mesma hora, ele parou. Ele ficou parado. Aí eu pensei: 'será que é por causa da música?'. Eu falei: 'Agora, ele pode me ouvir", relembra Vanessa Pereira, mãe de Saulo.

Foi assim que a música mudou a vida de Saulo. Além de ter nascido com autismo, ele também é cego, mas com um talento que se impôs diante de todos os obstáculos.

Os primeiros cinco anos de vida foram muito difíceis. "Ele era tão agressivo, tão violento. Pegava uma porta e batia. As portas caíam. Pegava as panelas debaixo da pia e começava a bater. Bater, bater, bater. Se a gente chegasse e tirasse, ele avançava violentamente", relembra a mãe.

A música trouxe calma. A mãe, segurança. "A música é a vida do Saulo. É a música e dizer para ele: 'eu vou te ensinar', porque ele ama aprender", diz a mãe.

Na adolescência, Saulo aprendeu piano. "O professor disse para a gente: 'Eu fico impressionado, porque um aluno normal demora um mês para aprender o que ele aprende em uma aula'", conta a mãe.

"Ele sabe que o dó é dó. Ele sabe que o sol é sol. É absoluto. Ele não vai errar isso. Nunca", afirma Andreia Adour, professora de música da UFRJ.

Saulo tem o chamado 'ouvido absoluto'. Ele é capaz de identificar com exatidão cada nota musical que escuta. E mais. "Ele repetia o som de uma laranja caindo no chão. Uma vez, eu estava ouvindo um concerto de Tchaikovsky e ele deitado perto de mim. De repente, ele fez um barulho e eu pensei: 'que som é esse que ele fez?'. Eu tinha o LP e voltei. Até que eu consegui apurar que tinha uma nota, essa que ele falava no fundo que tinha passado despercebido por mim e por uma grande parte de pessoas, mas não passou despercebido por ele", conta a mãe.

E a paixão pela música rompeu limites. Saulo foi alfabetizado em casa. Em 2011, fez as provas orais do Enem e passou para a faculdade de música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Fantástico: Foi uma decisão acertada da universidade quando resolveu aceitar o Saulo?

Professora: Sim, a universidade não só acertou em fazer a inclusão, como o Saulo é um dos melhores alunos da escola.

A voz aguda, característica dos tenores, levou o aluno ainda mais longe.

"Eu fiz uma audição para ser o ator principal dessa ópera. Eu estou interpretando o personagem chamado Lamberto", conta Saulo.

Lamberto é o nome do protagonista da ópera italiana 'O professor de música', apresentada pelos alunos da faculdade.

"Na audição, nós tínhamos três candidatos, cantores, tenores. O Saulo preencheu todos os requisitos. Ele tinha voz adequada ao estilo, ele era o que estava mais bem preparado musicalmente: afinação correta, dicção, a clareza rítmica. Então, não tivemos escolha: nós tínhamos que escolher o Saulo", conta Priscila Bonfim, diretora musical.

A participação de Saulo na ópera exigiu algumas adaptações, como a comunicação com a orquestra. "Pedimos que ele fizesse as respirações e ele desse os sinais para que a gente pudesse segui-lo", diz Priscila Bomfim, diretora musical.

E, nessa hora, o ouvido absoluto do Saulo faz diferença. "E, como ele tem uma memória musical excepcional, então a gente convenciona antes. E na hora sai tudo como combinamos", diz Priscila.

"Em alguns autistas, você encontra uma memorização acima da média. E essa memorização pode se dar ou no ponto de vista da matemática: números, letras ou de música", explica José Salomão Schwartzman, neuropediatra.

Fantástico: O que, no início, era mais preocupação e medo, hoje é o quê?

Mãe: Prazer, alegria, satisfação, reconhecimento pelo esforço que ele tem feito para se superar.

A última apresentação foi para quase 4 mil pessoas. "A gente tinha que descobrir só o que que a gente tinha que fazer. Mas ele foi quem nos deu a luz do caminho, quando ele começou a se mostrar para a gente interessado pelos sons, pela música", conta a mãe.

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Dom, 06 de Setembro de 2015 13:09
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO