Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Trio UFRJ

Trio UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Grande abrangência de repertório e atuação...

Reconhecendo afinidades de concepções musicais e técnicas,…

More...
Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Alberto Nepomuceno muito além do viés nacionalista
Alberto Nepomuceno muito além do viés nacionalista PDF Imprimir E-mail
Veículo: Estadão   
Seg, 08 de Dezembro de 2014

Matéria publicada na edição de domingo do (08/12/2014) do Estadão e no site do periódico. 

 

Alberto Nepomuceno muito além do viés nacionalista

 

Nos 150 anos do compositor cearense, livro muda ideias preconcebidas

 

João Marcos Coelho - Especial para O Estado de S. Paulo 

 

A música brasileira do século 19, a dita do período romântico, amarga há muitíssimo tempo a condição de patinho feio da história da música no País. É vista como mera imitação dos europeus e simplesmente esquecida, marginalizada. Não chega às salas de concerto, não é gravada nem é objeto de estudos. Só é citada quando se encaixa na visão de que serviu de escada para o nacionalismo cujo esplendor aconteceu com Villa-Lobos, no início do século 20.  

 

Esta visão distorcida, nascida sob condão do modernismo nacionalista concebido por Mário de Andrade, há pelo menos duas décadas já não vigora nos círculos acadêmicos – mas permanece forte na vida musical brasileira. Agora, a montagem da ópera Artemis no Teatro São Pedro, em São Paulo, e três produtos culturais ajudam a compreender melhor aquele período. Um, pelo selo inglês Hyperion, traz a primeira gravação do concerto para piano e orquestra de Henrique Oswald, com o pianista português Artur Pizarro e a Orquestra da BBC de Gales, regida por Martyn Brabbins. Isso acontece depois de 128 anos de sua composição.

 

albertonepomucenox550
Estudo. Aluno de Heinrich von Herzogenberg e Max Bruck.

Os outros dois lançamentos são brasileiros. No primeiro, o CD Delírio, o violinista Emmanuele Baldini e a pianista Karin Fernandes interpretam uma sonata do compositor Leopoldo Miguez (1850-1902) e duas de Glauco Velásquez (1884-1914). O mais consistente símbolo desta virada de concepção sobre a música brasileira do século 19 chega na passagem dos 150 anos do compositor cearense Alberto Nepomuceno (1864- 1920), que até agora não foi motivo de praticamente nenhuma grande comemoração.

 

O lançamento do livro Formação Germânica de Alberto Nepomuceno, de João Vidal, pianista e professor da Escola de Música da UFRJ, é um divisor de águas. Vidal vira tudo de cabeça pra baixo. Até agora as histórias da música brasileira ensinavam que Nepomuceno foi “precursor” do nacionalismo musical, que escreveu música de “caráter nacional”. Destacam sua luta obstinada pelo uso da língua portuguesa nas canções. E indicam que a parte interessante de sua obra são as peças que compôs com as tradições musicais rurais ou urbanas do País. Como escreve na apresentação André Cardoso, diretor da Escola de Música da UFRJ e presidente da Academia Brasileira de Música, “a menor parte de sua produção, aquela em que se evidenciam mais claramente os caracteres brasileiros (...) cresceu em importância e ofuscou obras nas quais Nepomuceno se revela mais plenamente como compositor”.

 

O autor do tão executado Batuque é visto apenas por seu viés nacionalista. Ninguém havia estudado sua formação na Alemanha in loco. Pois João Vidal fez isso. Em entrevista ao Estado, ele diz que “a crítica musical brasileira do século 20 elevou o nacionalismo nas artes de direção ou tendência estilística a critério máximo de valor, um processo no qual o pensamento modernista desempenhou um papel decisivo. Colocada assim a questão, é claro que toda a produção do século anterior haveria de ser compreendida (ou incompreendida) como obra de ‘epígonos’, ou na melhor das hipóteses ‘precursores’.

 

Ele refez, entre 2008 e 2010, todo o percurso de Nepomuceno na Europa. “As escassas fontes primárias relativas ao período de 1888 a 1895 que se podia localizar no Brasil não davam um quadro completo de sua personalidade intelectual e artística, e mesmo aquelas relativas ao período anterior, em que o compositor viveu no Recife e Rio, restavam ainda desconectadas do período mais celebrado da vida do compositor.”

 

A pesquisa preencheu estes buracos na biografia de Nepomuceno, mas também levou a descobertas musicológicas importantes. No Recife, o contato com Tobias Barreto fez do compositor mais do que um “imitador ou divulgador da música europeia”, diz Vidal. “Como os intelectuais da Escola do Recife, Nepomuceno foi um conciliador de sistemas, é assim que podemos melhor compreender o mecanismo por trás da ‘síntese de influências’ ou ‘ecletismo’ apontados em sua música.”

 

Do ponto de vista biográfico, Vidal descobriu que o compositor estudou não só com Herzogenberg, amigo de Brahms, mas também com Max Bruch. “Há na biblioteca da Escola da UFRJ uma versão primitiva do primeiro movimento do quarteto de cordas n.º 3.” Quando estudou com Bruch, Nepomuceno eliminou passagens cromáticas que denunciavam a influência de Wagner. Bruch, inimigo ferrenho de Wagner, levou o aluno a fazer outros cortes. “Os esforços de Bruch para afastar o aluno da ‘má influência’ de Wagner foram inúteis e levaram ao afastamento de ambos.” Por isso Nepomuceno nunca disse que estudara com Bruch. Vidal também esclareceu a real natureza da ligação do compositor com a Filarmônica de Berlim. O livro exibe um fac-símile de programa de concerto da orquestra em março de 1893 no qual Nepomuceno rege sua Suíte para Orquestra.

 

ENTREVISTA

 

João Vidal, professor

 

Por que a vida musical brasileira privilegia tanto a produção europeia do passado e do presente, em detrimento da criação brasileira, mesmo aquela com vínculos fundamentais com o vocabulário e a gramática europeias?

A avaliação negativa deste repertório por parte dos modernistas pesou, pois influenciou na formação do senso comum das plateias brasileiras, mas eu destacaria em primeiro lugar, e isso vale para toda a música do século 19 e mesmo depois, o fato de no Brasil estarmos ainda iniciando o processo de estabelecer todo o aparato necessário à apresentação da obra musical do período: departamentos e institutos de musicologia que formem profissionais capazes de pesquisar e editar criticamente obras que ainda se encontram em manuscrito em bibliotecas e acervos particulares e reeditar edições de época; editoras que publiquem esse material; músicos, conjuntos e orquestras que o toquem; e, por fim, um público que a ‘consuma’.

 

Orquestras e regentes reclamam que, em muitos casos, não há partituras confiáveis. Como mudar isso?

É um processo vagaroso que deveria receber do Estado um apoio mais expressivo e explícito: não há ainda edições completas ou mesmo catálogos temáticos para muitos dos nossos mais importantes compositores, e isso não vai acontecer sem o tipo de investimento financeiro que se vê ser destinado à mesma atividade na Alemanha, por exemplo. Assim como uma orquestra não se faz só com bons músicos e salários condizentes, mas também com salas de concerto, técnicos para manutenção de equipamentos e assim por diante, o resgate e valorização do passado musical brasileiro não se fará sem toda a economia que gira em torno disso. De outro modo estaremos fadados a ignorar este passado, e o desconhecimento da música de compositores como Alberto Nepomuceno ou Leopoldo Miguez é equivalente ao desconhecimento da literatura de Machado de Assis ou da poesia de Castro Alves: algo inaceitável. / J.M.C.

 

FORMAÇÃO GERMÂNICA DE ALBERTO NEPOMUCENO

Autor: João Vidal

Editora: Escola de Música da UFRJ (416 págs., R$ 68)

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Ter, 06 de Janeiro de 2015 13:27
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO