Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Um museu virtual de instrumentos
Um museu virtual de instrumentos PDF Imprimir E-mail
Veículo: Faperj On-line   
Qui, 30 de Outubro de 2014
  Foto: Divulgação/MVIM
  tibia2 peq
  Tíbia: flauta asteca feita a partir de um osso humano é uma das peças curiosas do MVIM.
Se, no dicionário, música é definida como "arte e técnica de combinar sons de maneira agradável ao ouvido", no campo social ela é entendida como um elemento cultural que expressa, por meio acústico, um conjunto de valores e símbolos de uma sociedade. Por trás da multiplicidade de definições, o fato é que a música é uma prática inerente ao ser humano e sua diversidade sonora é tão grande quanto a diversidade cultural observada no mundo. Em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) lançou o primeiro Museu Virtual de Instrumentos Musicais (MVIM) do Brasil com o objetivo de apresentar ao público, on-line, a enorme variedade de instrumentos, das mais diferentes procedências. No acervo, há exemplares curiosos, como a tíbia, uma flauta de origem asteca feita a partir de uma tíbia humana – osso localizado na perna. Para visitar o MVIM: http://mvim.ibict.br/.

 

Como já existia na universidade o Museu Instrumental Delgado de Carvalho (MIDC), vinculado à Escola Nacional de Música da UFRJ, desativado desde 2008, o projeto está buscando reativá-lo, reestruturá-lo e ampliá-lo, com recursos do edital de Apoio à Produção e Divulgação das Artes no Estado do Rio de Janeiro, da FAPERJ. Segundo a coordenadora Adriana Olinto Balleste, o primeiro passo foi restaurar e limpar as peças da coleção, de modo a catalogá-las de forma digital com fotos e com novas etiquetas. Depois, um intenso trabalho de pesquisa foi, e continua sendo, realizado para agregar mais informações sobre cada um dos instrumentos. "No ambiente virtual, onde tudo isso foi agrupado, podem ser encontradas informações detalhadas, imagens, áudios e vídeos de cada instrumento", comemora Adriana, formada em ciências sociais, com doutorado em música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

 

Foto: Divulgação/MVIMl  
AdrianaOllintoBalleste peq  
Para Adriana, o museu virtual cria dinamismo entre o conhecimento e seu visitante.  
O acervo é rico e diversificado: inclui desde instrumentos bastante conhecidos pelos brasileiros, como o violino e o bandolim, até outros inusitados, como yueqin e sarangi, respectivamente, da China e da Índia, que, de acordo com a pesquisadora, tal como os dois primeiros, fazem parte da família dos cordofones, os instrumentos de corda. "O sarangi, por exemplo, é um instrumento com sonoridade muito próxima da voz humana, encontrado na música do norte da Índia e do Paquistão. Por volta do século XIX, ele ficou muito associado às dançarinas. No entanto, no século seguinte, sua popularidade caiu devido, entre outros fatores, ao aumento da visibilidade do seu rival, o harmonium", exemplifica Adriana. O visitante virtual poderá conhecer ainda famílias, como a dos aerofones – os instrumentos em que a vibração da coluna de ar soprado produz o som, como é o caso da flauta e da trompa; idiofones – instrumentos rígidos que produzem o som pela vibração do seu próprio corpo, como as baquetas, os pratos e os triângulos; e membranofones – instrumentos de membranas, nos quais o som é produzido pela contração e descontração de uma membrana, como o tambor.

 

  Foto: Divulgação/MVIM
  Sarangi peq
  De origem indiana, o sarangi é um dos instrumentos da família dos cordofones

A pesquisadora ressalta que o museu virtual foi todo pensado para facilitar a navegação dos visitantes e estimular todos os sentidos possíveis. Dessa forma, sempre que possível, foram acrescentados os áudios que mostram o som daquele instrumento, bem como vídeos de como ele é tocado, além de fotos e textos informativos. "O acréscimo de informações aprofundadas e de bibliografias recomendadas tem como objetivo atender principalmente a demanda de alunos e de pesquisadores de música, que sempre procuram mais conhecimentos sobre o assunto", afirma Adriana, que destaca o trabalho de pesquisa da bolsista da FAPERJ dedicada ao projeto, Álea de Almeida.

 

Um dos objetivos futuros de Adriana é ampliar o número de itens do museu, inclusive adicionando instrumentos tipicamente brasileiros, como cavaquinho, violões modernos e cuíca, entre outros. Outra meta é agregar ao museu um espaço lúdico, com jogos interativos, voltado para atrair o interesse dos estudantes, visto que a disciplina de música passou a ser obrigatória nas escolas da rede pública. "Também estamos pensando organizar, como atividades complementares, a apresentação de orquestras formadas por alunos e professores. Muitos dos nossos instrumentos estão em perfeito estado de conservação e podem ser perfeitamente tocados", aposta.

 

Segundo Adriana, nos planos dos pesquisadores envolvidos está também, quem sabe um dia, reabrir o museu em um espaço físico. Enquanto isso não é possível, foram adquiridas capas específicas para cada instrumento e armários próprios para acondicionar adequadamente todo o acervo. "Embora seja importante a recuperação dos museus físicos, isso não invalida a importância de se ter uma coleção virtual, que é um museu sem fronteiras, capaz de criar um dinamismo entre o conhecimento e o seu visitante", conclui.

 

© FAPERJ - Matéria, assinada por Elena Mandarim, publicada (30/10/2014) no site da FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro.

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Seg, 08 de Dezembro de 2014 19:36
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO