170 ANOS FORMANDO MÚSICOS DE EXCELÊNCIA

Ópera cômica revisita um Rio Pré Bossa Nova

0
0
0
s2sdefault

Matéria pubicada em O Globo (27/08/2014) sobre estrea da ópera "O Diletante", de João Gilherme Ripper, na Escola de Música.

 

 

oglobo20140927   Ópera cômica revisita um Rio Pré Bossa Nova 'O diletante', de João Gillherme Ripper faz récitas gratuitas hoje e amanhã na UFRJ. Luiz Felipe Reis
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. É a segunda vez que o compositor r regente João Guilherme Ripper se inspira num clássico do teatro brasileiro para criar uma ópera. Se em 2003 ele compôs "O anjo negro", baseada em título homônimo de Nelson Rodrigues, agora ele apresenta "O diletante", inspirada em obra de Martins Pena, que estreou anteontem e fará apenas mais duas récitas com entrada franca, hoje (17h) e amanhã (11h), na Escola de Música da UFRJ. A direção cênica é de José Henrique Moreira, e André Cardoso dirige a Orquestra Sinfônica da UFRJ.
Em vez de contornos mais dramáticos, da peça mítica de Nelson, "O diletante" é a primeira incursão de Ripper na ópera cômica, e toma como base uma das mais divertidas criações de Pena, um dos ícones da comédia de costumes no Brasil.
? Nelson traz um apelo mítico que sugere um ambiente mais operístico, já Pena, não – diz Ripper – Mas há algo em comum nesses trabalhos. Para adaptar uma peça para um libreto é preciso buscar o ritmo correto para cada fala. A fala depende da música.
Ripper assina a música e o libreto da montagem, que transpõe para o Rio dos anos 1950, em especial a Copacabana pré bossa nova.
? Reapresento a trama neste contesto porque é um momento que marca o nascimento da bossa nova no Rio ? diz Ripper. ? Ao mesmo tempo, há um Brasil que começa a se descobrir. Essa transposição de espaço e tempo abriu também a possibilidade de usar alguns elementos estéticos e harmônicos que remetem àquele movimento, aos arranjos de Tom Jobim, e contrastá-los com a estrutura da ópera italiana.
"O diletante" é uma homenagem ao próprio universo da ópera, e gira em torno de um rico comerciante, amante de óperas, que faz tudo para casar sua filha com um expert do gênero. O original de Pena carrega, com humor, boas doses de crítica social, focada num comportamento elitista que bajula modismos estrangeiros. GETÚLIO À VISTA
Composta por encomenda da Escola de Música da UFRJ, esta é a quinta ópera de Ripper. Em 2000, ele criou "Domitila", logo estreou "O anjo negro" (2003), e em 2012, "Piedade". Em maio deste ano apresentou "Ohheama", que estreou no XVIII Festival Amazonas de Ópera.
? A próxima ópera será sobre Getúlio Vargas. A ideia é estrear em 2015, com regência de Isaac Karabtchevsky. "O DILETANTE"
Onde: Escola de Música da UFRJ – Rua do Passeio 98, Centro (2262-8742)
Quando: Hoje, às 17h, e amanhã, às 16h.
Quanto: Gratuito
Classificação: Livre. Foto
Crédito: Divulgação/Ana Liao
Legenda: Tributo. Inspirada em peça de Martins Pena, obra é uma homenagem à ópera.

Correspondência

Escola de Música da UFRJ
Edifício Ventura Corporate Towers
Av. República do Chile, 330
21o andar, Torre Leste
Centro - Rio de Janeiro, RJ
CEP: 20.031-170

+55 21 2532-4649
gabinete@musica.ufrj.br

Redes sociais