Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
Coral Infantil da UFRJ

Coral Infantil da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1989, celeiro de grandes talentos...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
UFRJazz Ensemble

UFRJazz Ensemble

Institucional >> Conjunto Estáveis

Música instrumental brasileira, jazz contemporâneo e música de concerto...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Caso do Júri (RJ) PDF Imprimir E-mail
Veículo: Crítica Teatral   
Seg, 01 de Julho de 2013

Crítica publicada no site "Crítica Teatral", em 01/07/2013, sobre a temporada da opereta, montada a partir de uma parceria da UFRJ com o Centro Cultural do Poder Judiciário. A matéria é assinada pelo jornalista Rodrigo Monteiro.

 

Um privilégio para o Rio

Foto: Divulgação
casonojuricritica500
Bruno dos Anjos, é Edson, o noivo malandro.
Pra quem assistiu, foi simples, ágil, leve, fácil e muito divertido. Em "Caso do Júri" ("Trial by Juri"), é possível identificar, também, rapidamente excelente uso das vozes e dos arranjos, ótima adaptação do texto original da Londres Vitoriana para o Brasil da República Velha, boas interpretações e magnífico uso do espaço. Produção conjunta do Centro Cultural do Poder Judiciário do Rio de Janeiro e da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a opereta dos ingleses William S. Gilbert & Arthur Sullivan, escrita em 1875, cumpriu recentemente segunda temporada no Antigo Palácio da Justiça, com versão brasileira e direção assinadas por José Henrique, direção musical de Marcelo Coutinho e regência de Juliano Dutra. Na equipe, alunos da Escola de Escola de Direção Teatral, da Escola de Comunicação e da Escola de Música da UFRJ, da Uni-Rio, da Escola Villa-Lobos, do Senai/Cetiqt e do Conservatório Brasileiro de Música em um grandioso elenco diante de um meritoso trabalho de orquestra, cuja união honrou a programação teatral da Cidade Maravilhosa. Há aqui um dos raros momentos em que a palavra "privilégio" pode ser bem usada. Foi um privilégio aplaudir esse espetáculo.

O gênero opereta é um dos cinco braços de que saiu a comédia musical americana que, desde 1927, se conhece mundo afora. Trata-se de um deboche da ópera tradicional, realizada com vistas ao grande público, que não podia pagar pelos grandiosos e demorados espetáculos e nem tampouco tinha paciência para eles. Nesse sentido, forma o gênero as peças curtas, os solos nem tão agudos e nem tão graves, o ritmo mais ágil e, sobretudo, as histórias mais engraçadas. Como no Brasil foi se chamar a "chanchada", a opereta partia de situações cômicas cotidianas para entreter o público e criticar o tido por "culto". "Caso do Júri", por exemplo, trata-se do julgamento de um noivo que quebra o contrato de noivado e, segundo a lei, deve pagar à noiva uma quantia por isso. Trazida para o Brasil, no início do século XX, a situação da nova versão (com melodias originais) é perfeita para o encontro com o malandro tradicional, que pode até não ser muito bonito, mas sem dúvida é muito sedutor. À baila, estão a corrupção dos membros dos júri, a frivolidade das moças da plateia, a superficialidade da vítima e a parcialidade do juiz, tudo isso bem brasileiro. Com canções rápidas, divididas em estrofes e com refrãos populares, a narrativa flui maravilhosamente bem, agradando a todos.

Nas atuações do elenco, destacam-se as brilhantes participações de Marcelo Coutinho como o Juiz e de Allan Souza como o Meirinho. É válido frisar, no entanto, que o conjunto está excelente. Junta-se a isso, o excelente uso do figurino, que caracteriza época e os personagens sem necessitar de maior atençãoo, o que seria prejudicial, e o uso do espaço na coreografia dos movimentos em cada número que se sucede ascendente e positivamente.

Na contrapartida de produções que só são grandes e bem feitas quando também são caras e apresentadas a preços altos, "Caso do Júri" é uma excelente iniciativa que não deve morrer na segunda temporada. Ela exibe o talento, muitas vezes escondido, daqueles que ocupam ainda os bancos das Escolas e Universidades e, ao mesmo tempo, a técnica de coordenadores experientes e bem intencionados. O resultado é vibrante. Parabéns!

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Qui, 18 de Julho de 2013 11:25
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO