Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Série Talentos UFRJ

Série Talentos UFRJ

Institucional >> Séries Temáticas

Divulgando a pluralidade da produção artística da Escola de Música

Foi criada em…

More...
Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa João Guilherme Ripper estreia música em homenagem a Vinícius de Moraes
João Guilherme Ripper estreia música em homenagem a Vinícius de Moraes PDF Imprimir E-mail
Veículo: O Globo   
Qui, 30 de Maio de 2013

Matéria publicada em O Globo (30/05/2013) e reproduzida no site do jornal com João Guilherme Ripper, compositor e docente da Escola de Música.

 

oglobo-2013-06-30

Ripper homenageia o Poetinha


Regente e compositor carioca estreia hoje, em São Paulo, "Cinco poemas de Vinícius Moraes para soprano e orquestra", obra encomendada pela Osesp

 

Marcelle Ribeiro

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

De São Paulo

 

A infância, os amores, as amizades, a poesia e a expectativa pelo fim da vida do compositor e poeta Vinicius de Moraes foram extraídos de cinco de seus poemas e traduzidos em música pelo compositor e regente de orquestra carioca João Guilherme Ripper, em uma obra que estreia mundial nesta quinta-feira. Encomendada pela Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) para homenagear o centenário de nascimento de Vinicius, “Cinco Poemas de Vinicius de Moraes para soprano e orquestra” terá apresentações na Sala São Paulo, no Centro da capital paulista, também amanhã e no sábado.

 

Ripper escolheu partir de cinco poemas de Vinicius e encadeá-los para traçar um percurso biográfico do homenageado. “Uma música que seja” fala do nascimento do som e da origem da poesia. Em “O poeta aprendiz”, Vinicius narra travessuras de infância. “Poema dos olhos da amada” mostra um Vinicius apaixonado. “Lapa de Bandeira” trata das amizades do poetinha, da Lapa de Manuel Bandeira, da poesia e de vários ritmos musicais. E, para Ripper, “A partida” revela uma visão carnavalizada do fim da vida, com festa e libertação, que o regente traduziu em música clássica com muita percussão.

 

— O meu trabalho foi garimpar a música que já estava dentro dos poemas. O poema tem ritmo, assonâncias. Quando ele repete uma consoante, aquilo se torna quase percussivo, sibilado. Quando li o poema “A partida”, o ritmo batia na minha cabeça e não me deixava dormir — diz Ripper, que pela primeira vez trabalha com obras de Vinicius.

 

A composição de Ripper será regida pela mexicana Alondra de La Parra e a solista brasileira Carmen Monarcha vai se juntar à Osesp para interpretá-la. No mesmo programa, que se insere nas homenagens do centenário de “A sagração da primavera”, de Igor Stravinsky, serão apresentadas outras duas obras: “Sinfonia nº 7 em Lá Maior”, de Beethoven, de 1813, e “Paraísos artificiais”, do português Luís de Freitas Branco, de 1913.

 

A obra de Ripper será apresentada também em dezembro, na embaixada brasileira em Berlim, na Alemanha, mas não há previsão de apresentações no Rio ou em outras cidades brasileiras.

 

João Guilherme Ripper, que diz que seu trabalho com música começou desde pequeno, quando amava poesia e sentiu a necessidade de “cantar os poemas”, ficou honrado com o convite para homenagear Vinicius.

 

— Poder dizer que junto com Tom Jobim, Carlos Lira e Pixinguinha, eu também fui parceiro de Vinicius é algo para contar aos meus netos — diz o autor das óperas “Anjo negro”, sobre texto de Nelson Rodrigues, e de “Piedade”, além de obras como “Olhos Capitu”.

 

Duas novas obras a caminho

 

Ripper, que é diretor da Sala Cecilia Meireles, está produzindo outras duas composições. Para a próxima Bienal de Música Brasileira Contemporânea, em outubro, compõe “Lux aeterna”, para mezzo soprano, quarteto de cordas e corne inglês, que vai mesclar textos da Missa de Réquiem de Verdi com textos japoneses e chineses para tratar da vida e da morte. Além disso, sob encomenda da Escola de Música da UFRJ, prepara uma ópera cômica sobre a obra de Martins Pena “O diletante”, para estrear em 2014.

 

Legenda:


João Guilherme Ripper: “O Meu trabalho foi garimpar a música que já estava dentro dos poemas”, diz ele sobre sua obra, ainda sem previsão de estreia no Rio.

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO