Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
UFRJazz Ensemble

UFRJazz Ensemble

Institucional >> Conjunto Estáveis

Música instrumental brasileira, jazz contemporâneo e música de concerto...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Concertos UFRJ Temporada 2013 Obras escritas para oboé em Concertos UFRJ
Obras escritas para oboé em Concertos UFRJ PDF Imprimir E-mail
Escrito por SeTCOM   
Ter, 19 de Março de 2013 10:31

A edição desta semana de Concertos UFRJ destaca peças dedicadas ao oboé − instrumento de sonoridade rica em harmônicos e notas agudas penetrantes,  usualmente responsável pela afinação da orquestra. O programa apresenta obras de Carl Philipp Emanuel Bach, W. A. Mozart e Breno Blauth, que cobrem momentos diversos da trajetória do oboé e, ao mesmo tempo, evidenciam suas potencialidades sonoras.

 

Programa radiofônico, resultado de um convênio da UFRJ com a Roquette Pinto, os Concertos UFRJ vão ao ar toda segunda-feira, às 22h, na sintonia 94.1 FM. A produção e a apresentação são de André Cardoso, docente da Escola de Música e regente titular da Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ).

podcast

Ouça aqui o programa: 

Toda segunda-feira, às 22h, tem "Concertos UFRJ" na Roquette Pinto FM. Sintonize 94,1 ou acompanhe pela internet!

Programas anteriores podem ser encontrados na seção Concertos UFRJ.
      

História

 

O Oboé foi incorporado à orquestra em meados do século XVII, quando desfrutou de grande popularidade entre compositores como Antonio Vivaldi, Johann Sebastian Bach, Alessandro Marcello, Georg Friedrich Händel, Wolfgang Amadeus Mozart, Robert Schumann e Richard Strauss.  Considerado um dos instrumentos de sopro de técnica mais difícil, requer grande controle respiratório e relativamente altas pressões de sopro, além de sofisticado controle labial das vibrações da palheta, por meio da chamada embocadura.

 

Durante a Renascença os instrumentos tocados com palheta dupla formavam uma família muito diversificada. Eram as bombardas. Existiam em diferentes tamanhos e tessituras. Dependendo do país e do registro (grave, médio ou agudo), as bombardas recebiam diferentes nomes. Na Itália eram conhecidas como ciaramellas e em Portugal como charamelas. No Syntagma Musicum de Michael Praetorius, um importante tratado sobre música do século XVII, são identificados diferentes tamanhos de bombardas desde a soprano com aproximadamente 65 cm de comprimento até a contrabaixo, um instrumento gigantesco que media quase três metros.

 

As bombardas ou charamelas produziam o som da mesma forma, ou seja, através da vibração de uma palheta dupla. Eram construídas em uma peça única de madeira, terminando em uma campana. Outra característica era a chamada pirouette, que consistia em um pequeno tubo onde ficava parcialmente encapssulada uma palheta e no qual o músico apoiava os lábios. Segundo Praetorius a sonoridade da charamela se assemelhava ao “grasnar de um ganso”. O oboé, assim como o fagote, descendem desses instrumentos.

 

O oboé surgiu na França na segunda metade do século XVII e deriva da charamela soprano. A palavra francesa – hautbois - que designava o instrumento e que deu origem à designação do instrumento, significa literalmente “madeira alta”. A origem do oboé está relacionada com a prática musical da corte de Luiz XIV, em especial de um de seus conjuntos musicais, a Grande Ecurie du Roi, o conjunto de sopros do qual faziam parte músicos versáteis que, além de instrumentistas, eram compositores e construtores de instrumentos. A Jean Hotteterre, um desses músicos e artesãos atuantes, é atribuída a invenção do novo instrumento.

 

Foto: Reprodução
f_oboes

O corpo do oboé foi dividido em três partes e os furos foram estreitados e realinhados. Mas a principal inovação com relação à charamela foi a abolição da pirouette e a colocação de uma palheta de largura menor encaixada na parte externa superior do instrumento. O som passou a ser produzido pelo contato direto dos lábios do músico com a palheta, o que proporcionava um som mais delicado e refinado.

 

A partir da segunda metade do século XVII o oboé se tornou um instrumento fundamental para a formação da sonoridade da orquestra barroca. O primeiro registro de sua participação na orquestra se deu no ballet “L'amour balade” de Lully em 1657. O protótipo do oboé barroco, entretanto, só foi definido nas duas últimas décadas do século XVII, com a primeira descrição técnica do instrumento feita por Bartolomeo Bismantova em sua “Regole del oboé”, publicada em 1688. Outra referência importante foi a publicação em Londres em 1695 daquele que é considerado o primeiro método para oboé, cuja autoria é atribuida a John Bannister.

 

Repertório do Programa

 

A edição destacou três obras. A Sonata para oboé em Sol Menor de Carl Philipp Emanuel Bach na interpretação de Alfredo Bernardini, oboé; Harald Hoeren, cravo; e Nicholas Selo, violoncelo. O Concerto para oboé Dó Maior, de W. A. Mozart, K. 314, com Randall Wolfgang como solista da Orpheus Chamber Orchestra. Movimentos: Allegro Aperto, Adagio Non Troppo, e Rondo, Allegretto. O Concertino para oboé e cordas Breno Blauth com o solista Alexandre Ficarelli e a Orquestra Bachiana Brasileira sob a direção de Ricardo Rocha. São três movimentos Animado, Andante e Vivo.


***

 

Parceria da Escola de Música (EM) com a rádio Roquette Pinto, a série Concertos UFRJ conta com a produção e apresentação de André Cardoso, docente da EM, e vai ao ar toda segunda-feira, às 22h, na sintonia 94,1 FM. As edições do programa podem ser acompanhadas on line ou por meio do podcast, audio sob demanda, da rádio Roquette Pinto. Contatos através do endereço eletrônico: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Ter, 19 de Março de 2013 11:54
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO