170 ANOS FORMANDO MÚSICOS DE EXCELÊNCIA

Centro Cultural do Poder Judiciário do RJ apresenta ópera “Caso no Júri”

0
0
0
s2sdefault

Matéria publicada em 18/10/2012 na coluna Tempo Vago da Folha Dirigida sobre montagem da opereta “Caso no Júri”, uma parceria da UFRJ com o CCPJ.

 

folhadirigida-2012-18-10
 

Centro Cultural do Poder Judiciário do RJ apresenta ópera “Caso no Júri”

Em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Centro Cultural do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro recebe pela primeira vez a versão inédita da opereta cômica “Caso no Júri” (Trial by Jury, 1875), de William S. Gilbert e Arthur Sullivan. As récitas acontecem até dia 27 deste mês e têm entrada gratuita.

Interpretada pela Orquestra Sinfônica da UFRJ, sob a batuz do regente Juliano Dutra, a montagem conta com 32 cantores em cena, sendo seis solistas. A idealização, versão brasileira e direção cênica são de José Henrique Moreira, diretor teatral e professor do Curso de Direção Teatral da Escola de Comunicação da UFRJ. A direção musical é de Marcelo Coutinho, professor da Escola de Música da UFRJ. O coro é formado por alunos da UFRJ e Uni Rio, entre outras instituições. 

Esta é a primeira vez que a obra é apresentada no Brasil, em língua portuguesa. “Caso no Júri” é a primeira das famosas Savoy Operas da dupla Gilbert & Sullivan, conjunto de obras que marcou o nascimento do gênero do musical londrino. A divertida história, adaptada nesta versão para o Rio de Janeiro de 1927, mostra um julgamento de um típico malandro carioca que abandona a sua noiva, uma ingênua mocinha de família, as vésperas do casamento. Para José Henrique, responsável pela montagem, a “malandragem” está presente em quase todos os personagens: “Transpus a ação de Londres em 1875 para o Rio de Janeiro de 1927, época da fundação do Palácio da Justiça, onde faremos a apresentação. ‘Caso no Júri’ põe em cena o julgamento de um "bon vivant". A "vítima" é uma mocinha de família que sucumbiu ao charme do malandro, mas que também age com semelhante malandragem, exagerando diante do tribunal as consequências de seu abandono. Sua causa é defendida por um advogado pomposo que exibe sua erudição aos jurados e o juiz está mais interessado na beleza da requerente do que nos assuntos judiciais em questão”. 

Serviço

Datas: de 17 a 27 de outubro (de quarta a sábado) Horários: 19h (quartas, quintas e sextas); 15h e 17h (sábados)

Local: Salão Histórico do Primeiro Tribunal do Júri - Antigo Palácio da Justiça Endereço: Rua Dom Manuel, 29, 20 andar, Centro - Rio de Janeiro RJ.

Telefones: (21) 3133-3366/ 3133-3368.

Correspondência

Escola de Música da UFRJ
Edifício Ventura Corporate Towers
Av. República do Chile, 330
21o andar, Torre Leste
Centro - Rio de Janeiro, RJ
CEP: 20.031-170

+55 21 2532-4649
gabinete@musica.ufrj.br

Redes sociais