Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Orquestra de Sopros

Orquestra de Sopros

Institucional >> Conjunto Estáveis

Formada por alunos da disciplina Prática de Orquestra...

Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Cras aliquam, ante quis convallis semper, nunc…

More...
Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Coral Infantil da UFRJ

Coral Infantil da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1989, celeiro de grandes talentos...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Concertos UFRJ Temporada 2012 O barroco coral é atração em Concertos UFRJ
O barroco coral é atração em Concertos UFRJ PDF Imprimir E-mail
Os historiadores da música costumam periodizar o barroco como indo do surgimento da ópera com Claudio Monteverdi no século XVII, até a morte de Johann Sebastian Bach, em 1750.
Escrito por SeTCOM   
Ter, 02 de Outubro de 2012 08:00

Duas edições atrás o programa abordou o barroco, estilo musical que, na música, se originou na Itália e desconstruiu a simetria e o equilíbrio, próprios do renascimento, em favor de uma arte que explora as tensões e valoriza o contraste. Está semana Concertos UFRJ retornam ao tema. O foco, porém, é agora a profícua produção sacra coral dos compositores da península – uma característica geral e não apenas da produção daquele país, cabe mencionar, pois os embates entre os mundos da reforma e da contrarreforma marcaram profundamente a cultura do período.

podcast

Ouça aqui o programa: 

Toda segunda-feira, às 22h, tem "Concertos UFRJ" na Roquette Pinto FM. Sintonize 94,1 ou acompanhe pela internet!

Programas anteriores podem ser encontrados na seção Concertos UFRJ.
    

No programa, obras de quatro compositores, dos mais significativos, Monteverdi, Caldara, Vivaldi e Albinoni. Do primeiro, um importante artífice da transição da renascença para o barroco, o programa apresentou o moteto “Adoramus Te Christe”, composto em 1620 para seis vozes. Obra para coro a capella, ou seja, sem a participação de instrumentos, nela a polifonia, típica da do momento anterior, já é menos marcante e dá lugar a uma movimentação mais paralela das vozes.

 

O texto do Magnificat, retirado do Evangelho de São Lucas, relatada a visita de Maria a sua prima Isabel. Um dos mais conhecidos cânticos marianos, serviu de base à inspiração de diversos compositores. Entre eles Antonio Caldara, compositor italiano, que viveu entre 1670 e 1736. Mais conhecido pela produção operística, sua música sacra, entretanto, merece a mesma atenção.

 

Antonio Vivaldi, que foi objeto de atenção no programa dedicado à vertente instrumental do barroco, escreveu dois Glórias, ou seja, música para a segunda parte do ordinário da missa. São as peças sacras mais conhecidas do compositor. Ambos datam do início do século XVIII. O primeiro deles, que a edição levou ao ar, recebeu o número de catálogo RV 588 e foi composto provavelmente no período em que foi professor e diretor de música na Ospedale della Pietá, em Veneza, um orfanato para moças que ganhou fama pela qualidade de suas atividades musicais. O texto do Glória é dividido em diferentes partes em forma de cantata, onde os trechos corais se alternam com árias e duetos.

 

Para encerrar, o programa veiculou outro Magnificat, o de Tomaso Albinoni, violinista e compositor que viveu entre 1671 e 1751 em Veneza, um dos centros musicais mais importantes do período.


Parceria da Escola de Música (EM) com a rádio Roquette Pinto, a série Concertos UFRJ conta com a produção e apresentação de André Cardoso, docente da EM, e vai ao ar toda segunda-feira, às 22h, na sintonia 94,1 FM. As edições do programa podem ser acompanhadas on line ou por meio do podcast, audio sob demanda, da rádio Roquette Pinto. Contatos através do endereço eletrônico: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 

Repertório da Edição


• Adoramus Te Christe, de Claudio Monteverdi, com o coro da Abadia de Westminster e direção de Sthefen Cleobury.
• Magnificat, de Antonio Caldara, com o soprano Marta Szucs, o contralto Klara Takacs, o tenor Dénes Gulyás, o baixo Tamás Bátor, o Coro Madrigal de Budapest, a orquestra de cordas de Budapest e a direção de Ferenc Szekeres.
• Glória, RV588, de Antonio Vivaldi, com os sopranos Lynda Russel e Patrizia Kwella, o mezzo soprano Anne Wilkens, o tenor Kenneth Bowen, o coro do Saint John College de Cambridge, a orquestra WREN e a direção de George Guest
• Magnificat, de Tomaso Albinoni, com o soprano Marta Szucs, o contralto Klara Takacs, o tenor Dénes Gulyás, o baixo Tamás Bátor, o Coro Madrigal e a orquestra de cordas de Budapeste sob a direção de Ferenc Szekeres

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Ter, 02 de Outubro de 2012 21:10
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO