Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
Orquestra Juvenil

Orquestra Juvenil

Institucional >> Conjunto Estáveis

Em funcionamento desde 1995...

A Orquestra Juvenil da UFRJ foi criada pelo maestro André…

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Violões da UFRJ

Violões da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado ao violão brasieliro...

Formado em 2003 a partir…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa UFRJ abre temporada de projeto que leva ópera a várias cidades fluminenses
UFRJ abre temporada de projeto que leva ópera a várias cidades fluminenses PDF Imprimir E-mail
Veículo: Diário do Vale   
Seg, 09 de Julho de 2012

Matéria publicada no Diário do Vale, 08/07/2012, jornal do Sul Fluminense, sobre temporada itinerante da ópera Così  fan tutte, Mozart, promovida pela Escolas de Música, Belas Artes e Comunicação da UFRJ.

 

diariodovale-2012-07-08

 

UFRJ abre temporada de projeto cultural que leva ópera a várias cidades fluminenses


Uma das 12 óperas mais encenadas no mundo, Cosi Fan Tutte (Assim Fazem Todas), do compositor Wolfgang Amadeus Mozart, foi a escolhida para a temporada 2012 do projeto Opera na UFRJ, que foi aberto na semana, no Salão Leopoldo Miguez da Escola de Música da Universidade Federal do Rio. Criada em 1994, a iniciativa da UFRJ realiza, a cada ano, montagens completas de óperas, com recursos cênicos e musicais, em espaços da própria universidade e em teatros públicos de cidades do interior do estado.

 

Projeto de ensino, pesquisa e extensão, o Opera na UFRJ envolve alunos, professores e técnicos de três unidades da instituição, as escolas de Musica, de Belas Artes e de Comunicação, além da Orquestra Sinfônica da universidade.

 

Os espetáculos são gratuitos e têm o objetivo de proporcionar amplo acesso da população fluminense a um gênero musical que vem despertando interesse cada vez maior. Cantada em italiano, com legendas em português, Cosi Fan Tutte será encenada em duas versões clássica e contemporânea com a participação de 12 solistas, o coro e a orquestra regida pelo maestro André Cardoso.

 

Este é o melhor texto da trilogia de Mozart e do libretista Lorenzo da Ponte [as outras duas são As Bodas de Figaro e Don Giovanni]. Picante, amoral, olha de maneira muito sórdida para as relações humanas, dentro da linha do século XVIII afirma o coordenador cénico da montagem, André Heller-Lopes, professor do Departamento Vocal da Escola de Música da universidade.

 

Com mais de 15 anos de carreira como diretor de ópera, Heller-Lopes tem em seu currículo a encenação de cerca de 30 espetáculos do género, no Brasil e no exterior. Segundo o diretor, Cosi Fan Tutte é uma ópera de conjunto, na qual todos os seis personagens são igualmente importantes. Na história, dois jovens oficiais, Ferrando e Guglielmo, apostam com o seu velho amigo Don Alfonso que suas noivas, as irmãs Fiordiligi e Dorabella, nunca os trairiam. Para tirar a prova, combinam uma encenação: disfarçados, são acolhidos na casa das noivas, com a ajuda da criada Despina, e cada um acaba por conquistar a noiva do outro. Perdem a aposta para Don Alfonso, para quem “assim fazem todas”, mas, ao final, a trama é desmascarada e os pares originais se reconciliam. Por ter como personagens mulheres infiéis e libertinas, o enredo foi durante muito tempo considerado decadente e imoral. Costumamos olhar o passado com os olhos do século XIX, uma época mais puritana, vitoriana, mas o século XVIII, quando se passa a história, tinha outro tipo de linguagem explica André Heller-Lopes.

 

A montagem em duas versões sugere a atualidade da obra: a versão clássica, com cenários e figurinos de época, e a mesma ópera adaptada aos dias atuais. Até o dia 19 deste mês, serão mais seis apresentações. Neste fim de semana, o espetáculo continua na Sala Leopoldo Miguez, com a versão contemporânea hoje, dia 8. No dia 10, às 12h, a adaptação à época atual volta á cena, no Auditório Horta Barbosa, no Centro de Tecnologia da UFRJ, na Ilha do Fundão. Fora da capital, Cosi Fan Tutte poderá ser vista na versão clássica nos dias 12, às 20h, no Teatro Municipal de Niterói, e 14, às 19h, no Theatro Dom Pedro, em Petrópolis, na região serrana. Encerrando a temporada, a ópera será encenada em versão contemporânea no dia 19, às 19h, no Teatro Municipal Trianon, em Campos dos Goytacazes, no norte do estado.

 

Legenda

União: Projeto de ensino, pesquisa e extensão, o Ópera na UFRJ envolve alunos, professores e técnicos.

Compartilhe este artigo:

 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO