Galeria de Imagens

Galeria de Imagens

Fotos e imagens dos eventos da Escola de Música...

More...
UFRJazz Ensemble

UFRJazz Ensemble

Institucional >> Conjunto Estáveis

Música instrumental brasileira, jazz contemporâneo e música de concerto...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Concertos UFRJ

Concertos UFRJ

Toda segunda, às 22h, temos encontro marcado na FM 94,1

More...
Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Institucional >> Conjunto Estáveis

Criada em 1924 é a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Conjunto Sacra Vox

Conjunto Sacra Vox

Institucional >> Conjunto Estáveis

Desde 1998 divulgando o repertório sacro de todos os tempos...

O conjunto vocal de câmara Sacra Vox foi fundado…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Escola de Música na Imprensa Estrela da Escola de Música, o órgão G. Tamburini revive seu esplendor
Estrela da Escola de Música, o órgão G. Tamburini revive seu esplendor PDF Imprimir E-mail
Veículo: O Globo   
Seg, 09 de Abril de 2012

Matéria publicada em O Globo, edição do dia 09/04/2012, sobre reinauguração do órgão Tamburini da Escola de Música.

 

oglobo-2012-04-09

 

Estrela da Escola de Música, o órgão G. Tamburini revive seu esplendor

Instrumento, o maior da cidade, é restaurado e ganha concertos a partir de amanhã

 

Catharina Wrede

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

G. Tamburini nasceu em 1954 na Itália e, de lá, veio direto para o palco da sala de concertos Leopoldo Miguez, da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Passeio. Seus mais de cinco mil tubos sempre lhe conferiram o status de estrela. Deixado de lado nos últimos anos, à mercê dos cupins, ele padeceu. Mas agora, depois de uma intervenção drástica, o órgão da UFRJ, o maior da cidade e o quinto do país, se prepara para voltar à cena, amanhã, em uma série de quatro concertos em que será o centro das atenções.

 

– Parecia que ele havia passado por uma guerra compara o organeiro Márcio Rigatto, que, junto com seu irmão, Daniel, assina a restauração do Instrumento. – Tivemos que reconstruir 70% dele.

 

Sonoridade em desuso


Isso quer dizer que os quatro teclados manuais com 64 teclas cada, os 122 tabletes de registros sonoros, a pedaleira de 32 teclas, os três pedais de extensão e crescendo e os mais de cinco mil tubos tiveram que ser, rigorosamente, inspecionados e, na maior parte dos casos, trocados por novos.

 

Tido por Wolfgang Amadeus Mozart como o instrumento mais completo, o órgão foi sendo deixado de lado com o passar dos anos. Restrita a igrejas, sua sonoridade imponente caiu em desuso, e as turmas dedicadas a formar organistas na Escola de Música da UFRJ foram relentando.

 

– Não é um instrumento como o piano ou o violino, que você pode praticar em casa – diz o professor de órgão da Escola de Música da UFRJ Alexandre Rachld. – Isso dificulta o interesse. Mas agora, com o restauro, sinto que os alunos estão voltando a procurar as aulas.

 

Dupla responsável pelo trabalho, os irmão s Rigatto, da Família Artesã Rigatto & Filhos Ltda. herdaram a tradição de organeiro – quem conserta e fabrica órgãos – do pai, José Carlos Rigatto. Foi ele quem, em 1968, foi chamado para fazer a primeira restauração do órgão G. Tamburini nome da fábrica responsável pelos instrumentos do Vaticano – na escola de música. José Carlos fez a manutenção do instrumento até 1989, quando, segundo Márcio, deixou de ser pago pelo serviço – Meu pai cuidava dele por amor, mas, depois de um tempo, ficou Inviável fazer tudo de graça.

 

Sob o olhar de José Carlos, o órgão viveu sua era de ouro na Sala Leopoldo Miguez, sendo tocado pelos maiores organistas da época, como o alemão Karl Richter (1926-1981) e o francês Pierre Cochereau (1924-1984), da Notre Dame de Paris.

 

O órgão não estava abandonado – rebate o regente André Cardoso, diretor da Escola de Música da UFRJ desde 2007. – O que precisava ser feito era uma modernização. O cupim foi inevitável, como é em toda a cidade do Rio.

 

Neste ponto, não há dúvidas: os cupins não poupam nada. Em 20 anos, eles fizeram a festa na consola (parte do instrumento que fica no palco e lembra um piano), esculpida em madeira. Originalmente revestida de pinho europeu (que “não está acostumado com os cupins daqui”, segundo Daniel), a peça estava destroçada. Como substituta, foi posta madeira de lei brasileira, resistente ao inseto.

 

O restauro do órgão faz parte do projeto de reforma da Sala Leopoldo Miguez, com verba da Petrobras (R$ 2 milhões) e da própria UFRJ (R$ 1,5 milhão). O orçamento para consertar o instrumento – segundo Márcio elaborado por eles há 12 anos e só agora, na gestão de André Cardoso, aprovado – foi de R$ 820 mil, “baratíssimo para um trabalho espetacular desses”, diz o patriarca José Carlos. As apresentações de abril contarão com o professor Alexandre Rachid e com uma veterana: Gertrud Mersiovsky, professora da única geração de organistas brasileiros, como Rachid. O concerto inaugural, amanhã, é com ela, às 18h30m, na sede da escola.

 

Foto

Créditos: Mônica Imbuzeiro

Legenda: ANDRÉ CARDOSO (à esquerda), diretor da escola, e os irmãos Rigatto, restauradores, com o órgão, de 1954

 

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Seg, 09 de Abril de 2012 13:15
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO