Coro Sinfônico da UFRJ

Coro Sinfônico da UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Repertório dedicado às grandes obras corais sinfônicas de todos os tempos...

Coro Sinfônico da UFRJ é…

More...
Brasil Ensemble - UFRJ

Brasil Ensemble - UFRJ

Institucional >> Conjunto Estáveis

Mais de uma década se apresentando em importantes salas de concertos...

Criado em outubro de 1999, o conjunto vocal Brasil…

More...
UFRJazz Ensemble

UFRJazz Ensemble

Institucional >> Conjunto Estáveis

Música instrumental brasileira, jazz contemporâneo e música de concerto...

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Quisque dui orci, faucibus non, semper sed, pulvinar quis, purus. Class aptent…

More...
Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Os Concertos Virtuais UFRJ estão no ar

Notícias >> Arquivo

Lançamento dia 13 de dezembro da experiência piloto...

Foto: Marco Fernandes/CoordCOM…

More...
Biblioteca Alberto Nepomuceno

Biblioteca Alberto Nepomuceno

Institucional >> Biblioteca

Capítulo importante da música no País

A história da Biblioteca Alberto Nepomuceno é, com certeza, capítulo importante da própria história da música no Brasil. Francisco Manuel da…

More...
Selo Fonográfico UFRJ/Música

Selo Fonográfico UFRJ/Música

Institucional >> Publicações

Conheça a produção fonográfica da Escola de Música

A produção fonográfica da Escola de Música remonta à época do LP quando a Orquestra Sinfônica gravou a Abertura em…

More...
Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.
Início Concertos UFRJ Beethoven: Cristo no Monte das Oliveiras
Beethoven: Cristo no Monte das Oliveiras PDF Imprimir E-mail
Para muitos críticos, Beethoven oferece um retrato bem mais humanizado de Jesus, do que outras aproximações musicais que tomam como base o mesmo tema.
Escrito por SeTCOM   
Ter, 03 de Abril de 2012 00:28

A atração desta semana de Concertos UFRJ é o oratório “Cristo no Monte das Oliveiras” de Ludwig van Beethoven. Obra que dramatiza um momento repleto de significados da narrativa mítico-religiosa da paixão, morte e ressureição de Cristo, que o imaginário cristão rememora na Semana Santa. Período que se inicia com o chamado Domingo de Ramos, ccom sua entrada triunfal, acompanhado dos discípulos, em Jerusalém e termina no domingo seguinte com a Páscoa.

 

podcast

Ouça aqui o programa: 

Toda segunda-feira, às 22h, tem "Concertos UFRJ" na Roquette Pinto FM. Sintonize 94,1 ou acompanhe pela internet!

Programas anteriores podem ser encontrados na seção Concertos UFRJ.

Segundo essa tradição, na quinta-feira, após a ceia em que anuncia sua morte iminente, Jesus sobe o Monte das Oliveiras para meditar e orar. Consciente do destino que o aguarda, enfrenta uma longa noite de dúvidas, aflições e angústias que culmina no beijo de Judas Iscariotes e em sua prisão pelas tropas romanas. No amanhecer da sexta-feira, será açoitado, condenado e, a seguir, morto.

 

O oratório “Christus am Ölberge” (em português, “Cristo no Monte das Oliveiras”), op. 85, de Beethoven (1770-1827) resgata o episódio do Jardim das Oliveiras. O libreto é de autoria do poeta Franz Xaver Huber, com quem o compositor colaborou ativamente. A obra foi concluída em poucas semanas, no final de 1802, logo após ter escrito o famoso Testamento de Heilligenstadt – carta dirigida à seus irmãos Karl e Johann, na qual, sob o impacto dos primeiros sinais de surdez, afirma sua convicção na música como redentora de todos os males. A estreia aconteceu do ano seguinte, em 5 de abril, no Theater an der Wien, em Viena. Mais tarde o compositor reviu a partitura para publicação pela Breitkopf & Härtel. Os quase dez anos que se passaram entre a composição e a publicação resultaram na atribuição de um número de opus relativamente elevado a ela.

 

O oratório está marcado para soprano, tenor, baixo, coro e orquestra. O tenor representa Jesus, o soprano um serafim (anjo) e o baixo Pedro,  o apóstulo. A obra começa de forma dramática com a agonia de Jesus que canta um recitativo e ária cujo texto diz “Toda a minha alma dentro de mim estremece”. Prossegue com o canto do serafim que afirma a bondade divina e a salvação dos justos, a que se segue um coro de júbilo. Após um dueto e breve recitativo, se houve o coro masculino em tempo de marcha, que configura a chegada dos soldados e o tumulto que se segue. No diálogo com Pedro, Jesus o convence a não resistir. No número final, após uma breve introdução orquestral, um coro de anjos canta uma Aleluia, com o qual a peça termina.

 

A gravação apresentada é a de 1992 e traz o tenor James Anderson, como Jesus; o soprano Monica Pick-Hieronimi, como o serafim; e o baixo Victor van Halem, como Pedro. Os músicos e o coro são da Orquestra Nacional de Lyon, tendo Serge Baudo como regente.


Concertos UFRJ resultam de um convênio da UFRJ com a rádio Roquette Pinto, indo ao ar toda segunda-feira, às 22h, na sintonia 94.1Apresentado por André Cardoso, regente titular da OSUFRJ, as edições podem ser acompanhadas on line ou por meio do podcast (áudio sob demanda) da Roquette Pinto (FM 94,1).

 

Contatos através do endereço eletrônico: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 

Compartilhe este artigo:

Última atualização em Seg, 14 de Maio de 2012 18:49
 
Banner
Produção artística Séries Temáticas Conjuntos estáveis Espaços culturais Biblioteca Museu Laboratórios Publicações e CDs EM na Imprensa Sites de Música Galeria de Imagens Registro Autoral

Powered by JoomlaGadgets

© 2010-2017 Escola de Música - UFRJ
Site desenvolvido pelo Setor de Comunicação da EM/UFRJ
TOPO